Tenho medo de viajar de avião

Este texto já começa com uma confissão pública no título: tenho medo de avião. Não acredito que existe, no mundo, alguém que goste de viajar de avião. É inconcebível que você se sinta totalmente confortável em uma geringonça que voa a milhares de pés de altura. “Ah, mas a tecnologia…“. Pois é, os caras do Titanic disseram o mesmo.

Nós usamos este meio de transporte por motivo de necessidade, não por ser algo prazeroso. A prova disso é que as companhias aéreas fazem uso de muitos artifícios para te distrair durante o voo: oferecem lanchinho, montam uma equipe de lindas aeromoças, preparam rádios com programação para todos os gostos e ficam passando vídeos bonitos de casais que se conheceram em um voo com destino a Paris. Tudo isso seria convincente se não fosse a janela ao lado e o chacoalhado angustiante da máquina.

Quando falo disso, lembro da minha primeira viagem de avião, em abril de 2011. O rapaz do checkin perguntou se eu preferia janela ou corredor. Aquilo soou meio como “cadeira elétrica ou câmara de gás”. Respondi apenas um “tanto faz” e acabei indo parar justamente na janela da saída de emergência.

Isso é o que eu chamo de provação de fé. Logo que me acomodei uma das aeromoças veio me explicar os procedimentos que eu deveria executar em caso de “pouso espontâneo na água ou no solo“. Tive vontade de vomitar.

Depois do ritual macabro de aprendizado das técnicas de salva-vidas, todos estavam esperando o avião alçar voo. Assim como eu, todos fingiam que estavam tranquilos. Nisso, sempre vai existir a pessoa que tem problemas e continua usando o celular mesmo após o aviso que todos os aparelhos eletrônicos devem ser desligados no momento que o avião vai voar… e eu sempre me seguro para não voar no pescoço dessa gente.

Então chegou a hora. O avião começou a ganhar velocidade para subir. Neste momento eu já tinha clamado pelo Pai, pelo Filho e pelo Espírito Santo. Fechei os olhos, senti as mãos congelarem e masquei compulsivamente o chiclete que comprei no saguão do aeroporto por R$5. Não sei quanto tempo permaneci naquele estado de estátua. Quando finalmente abri os olhos, olhei para o lado e vi um chão de nuvens. Em um ímpeto, fechei a janela e peguei uma revista qualquer.

Abre, é tão lindo. Quero ver a paisagem“, pediu uma senhora que estava ao meu lado.

Como não quis parecer babaca, abri e passei a viagem toda tendo náuseas. E ainda sendo obrigada a apreciar a vista com um sorriso amarelo, sempre que ela apontava para algum ponto qualquer da paisagem. Ok, seriam somente 3 horas de voo direto pra São Paulo.

Minutos depois, começaram a servir o lanche e pude relaxar um pouco durante os 15 minutos que levei para comer o sanduiche. Depois desse momento, a bexiga de todos os passageiros começa a apertar e fica aquele trânsito enlouquecido de passageiros em direção ao banheiro. Quanto a mim, nunca desatei os cintos em todas as viagens que fiz. Principalmente porque SEMPRE enfrento turbulências e ouço o recado sarcástico do piloto: “estamos passando por uma turbulência, mas convidamos vocês a relaxarem e apreciarem o voo“. Que?

Quando finalmente o piloto acordou e retomou os controles do avião, avisou que o mesmo já estava se preparando para o pouso. Fiz uma expressão de “ah, mas já acabou?” e procurei agir naturalmente, sem expressar a imensa alegria de não ter precisado usar a tal saída de emergência…

Depois desse dia fiz outras viagens e, apesar de não terem sido tão emocionantes e marcantes, continuo fechando os olhos e gelando a espinha dorsal a cada decolagem…

E você, gosta de viajar de avião? Conte para mim suas experiências malucas através do Twitter ou aqui mesmo nos comentários. ;)

Você também pode gostar de ler isso aqui

15 Comments

  1. Sem brincadeira, Fê, eu adoro viajar de avião, e a hora da decolagem é a minha parte preferida!

    Mas, odeio o pouso.

  2. Eu não vou mentir e dizer que não sinto nem um medinho. Sinto sim. Um pouco na hora da decolagem, e um pouco mais na hora do pouso. Mas lá em cima? Pra mim é a melhor coisa do mundo. Passo horas olhando pela janela, tirando fotos e fazendo vídeos hehehe. Sem náuseas. Às vezes uma dorzinha no ouvido. Mas não vejo a hora de pegar o próximo voo. Esse ano vou para Los Angeles. Pensa comigo: 3 horas de João Pessoa pro Rio, 8 horas até Atlanta e 4 horas e meia para Los Angeles. Bom demais, concorda? Ruim seria andar tantas horas assim de carro :P

  3. Morro de medo todas as vezes. E, em uma delas, o medo foi extremo: passamos por uma turbulência horrível (primeira e ultima, assim espero). A idéia inicial foi fechar os olhos e gritar pedindo ajuda (!). Mas tive q dar aquela espiada pelo canto do olho. Pra minha surpresa, vi a asa do avião balançando como uma asa de um pássaro!!!! Fiquei chocada imaginando q o motor nao estava funcionando então ele (o avião) resolveu voar por conta própria. Eu, no auge da minha ignorância, achava q a asa era mega rígida. Pavor!!! Deus nos proteja sempre.

  4. Fernanda, eu sinto um pouco de náuseas. Sempre e em qualquer viagem, mas acho o máximo. E pode me chamar de louca, eu acho incrível as turbulências! Pronto, falei! hahaha

  5. Fernandinhaaaaaa!!!!! Sem mentira. EU AMOOOOOO ANDAR DE AVIÃO!!!!!
    Gosto mesmo, e principalmente das viagens longas e feitas a noite. Durmo após o jantar e acordo quando já está amanhecendo para tomar café. Não sei, acho que tenho um pouco de aves voadoras.
    A minha primeira viagem, estava grávida de Fabiana com 8 meses, e vim só de BH para Recife, e tivemos uma turbulência quando sobrevoávamos a Bahia, foi ai que tive medo, mas logo passou. Graças a Deus!!!!
    Espero que consiga superar esse medo, pois muitas viagens virão ainda para você fazer minha querida! Sinto muito! Começou agora!!!!!
    Deus abençoe! Um grande abraço!!!!

  6. Tenho vontade de fazer igual ao Papa João Paulo II, que ao descer do avião beijava o solo. Desconfio que o ritual não era meramente para agradar os fiéis locais, mas sim para expressar o imenso alívio que o homem do vaticano sentia. Parabéns pelo texto.

  7. Qual foi a compania que você voou?

    Depois eu tive agumas experiências ruins com companias brasileiras…. uma vez com a Avianca eu senti a Morte sacudindo o avião… XD Foi uma turbulência horrível!

    Mas em compensação, os vôos que fiz pela BA foram tranquilíssimos, com uma comida de bordo ótima! Não deu pra ficar na cadeira pq era um vôo de 12 horas…. Mas a tela com filmes e séries ajuda a passar o tempo.

    Na primeira vez que eu voei estava nervosa, mas excitada. Achei legal a experiência de qualquer forma.

  8. Medo não tenho muito não. Eu tenho é receio de acontecer algum problema e não poder contar a história para meus amigos.
    A primeira vez que viajei foi Salvador – Porto Alegre, um voo direto na madrugada sem muitas emoções (só algumas turbulências para não dizer que não houve nada).
    Mas, medo mesmo eu tive neste ano, quando a aeronave da TAM apresentou problemas antes de decolar e o povo numa tranquilidade no avião e eu doida para sair dali e ir em outra.
    Pense como é viajar num avião que estava quebrado? Achei que não chegaria à Maceió.

  9. Oii ^^

    Descobri teu blog no facebook, através do compartilhamento de uma prima, na sua postagem sobre “andar de ônibus”.
    Achei um texto supeeeer bem escrito e teu blog muito f*! É bem minimalista, mas é profundo, engraçado, inteligente.
    Sou estudante em Letras e gostaria de estabelecer contato com você, assim como faço com diversas garotas blogueiras. Tenho um blog também! Posso divulgá-lo, se segui-lo. ( http://nomeuquartoeuleiomuito.blogspot.com.br)
    Abraços e boa sorte ! _*_*

    ROBERTA RIBEIRO
    No Meu Quarto Eu Leio Muito

  10. Eu até tinha medo de viajar de avião, mas passou sabe… Cheguei à conclusão (óbvia) de que não tenho controle sobre o meu destino. Se o avião cair e for para eu estar nele, é isso aí. Aí, hoje em dia, relaxo e tento curtir o vôo quando é longo… Se você fizer algum vôo mais longo de executiva ou first, te juro que vai perder o medo de voar! hehehe LUXO puro!

  11. Se me fosse dado a escolher, eu preferiria morrer de queda da própria altura, do que de muitos pés de altura.

  12. Não resisti ao ver este post e lembrei da minha primeira viagem de avião ao lado das minhas amigas… Neste dia ansiosas, entramos no avião e quando ele começou a decolar minha amiga, esta que também nunca tinha voado começou a dar um espetáculo de nervosismo, ficamos tão preocupadas que quando nos demos conta estávamos bem alto. Parte engraçada e frustante da viajem, quando estava próximo a aterrizagem, me deu vontade de fazer xixi e a aeromoça não deixou eu ir ao banheiro, para completar a vontade começou a aumentar e a gravidade não ajudou muito e comecei a chorar e relatar para minhas amigas a minha vontade extrema de ir ao banheiro, para encurtar a história o avião passou horas taxiando no aeroporto e quando finalmente ele parou que todo mundo se levantou, eu olhei pro lado chorando e minha amiga disse: Não se preocupa… PESSOAL, saiam da frente por favor que minha amiga tem incontinência urinária. EU MORRI… Passei cabisbaixa, fui ao banheiro e ao sair… O piloto me espera e pergunta: E então é você que tem incontinência? Tá bom, ele tirou uma “onda” comigo. No mais, trouxe muitas histórias pra casa e gostei da experiência. Fernanda amei os seus post’s, você esta de Parabéns!

  13. Vey, eu já tava na pilha de andar de avião. Lembrei desse texto.
    Ele deveria me servir como terapia por saber que pessoas em sã consciência (como você e eu, Fernanda) também sentem medo de avião. O que é a coisa certa a se fazer. Afinal de contas, todo mundo sabe que o passarinho pra voar precisa bater asas – já dizia meu avô – e aquele troço fica paradooooooo… ahhhhhhhhhhh.

    Pessoas que adoram viajar de avião não são normais, definitivamente.
    E sexta-feira próxima, vai ser minha primeira vez. Mas isso não é medo, nem pavor, pq homem que é homem não sente essas coisas bobas. É cagasso! E dos grandes! Pavor é fichinha kkkkkkk

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>