Por que andar de ônibus faz bem ao seu caráter

Não confie completamente em uma pessoa que nunca andou de ônibus. Não importa se hoje você tem um Camaro Amarelo (e é doce doce doce), se você já andou de ônibus em uma fase de sua vida, você não é a mesma pessoa. Digo mais: ainda que você tenha condições de comprar um Porsche para o seu filho quando ele fizer 18 anos, permita que ele passe ainda que poucos meses andando de ‘busão’. É que, para mim, este meio de transporte forma nosso caráter como chinelada nenhuma consegue fazer. Explico nos pontos seguintes.

1) Paciência
Tudo começa no processo de espera. Você se vê encostado na parada de ônibus esperando pela boa vontade do mesmo. Você até já decorou o horário que o “seu” ônibus passa. Mas se o motorista resolver pisar forte no acelerador e passar 3 minutos antes, só resta a você esperar mais 45 minutos pelo próximo.

2) Lidar com a humilhação
Vem ao longe o ônibus. Você reconhece no letreiro luminoso que é o SEU ônibus. Seu coração acelera. Você corre atrás dele como o Super Mario corre atrás da Princesa. Ele se aproxima e você percebe que o condutor não diminuiu a velocidade. Por algum motivo, o motorista passou direto com direito a um sorriso maroto, apontando para um suposto ônibus que vem atrás. Você fica com cara de tacho e a mão apontando para o nada.

3) Respeito às diferenças
Quando o “ônibus de trás” finalmente chega após 23 minutos, é claro que ele estará parcial ou totalmente lotado. Você se depara com um misto de sons e batuques, pessoas do Manassés pedindo doação, menino vendendo balinha e o cobrador com o humor pior do que o de um siri na lata. Você toca, ainda que não queira, pessoas que você jamais tocaria na zona de conforto de seu carro. Você é obrigado a lidar com gente diferente, sentar ao lado delas e até puxar assunto sobre “como o tempo hoje está quente”. Enfim: você deixa de lado seu ego e deixa de tanta frescura.

4) Altruísmo
Ainda que contra sua própria vontade, as Leis da Ética de Ônibus™ ‏dizem que você deve ceder seu lugar aos mais velhos e se oferecer para segurar os livros do estudante de ensino médio do cabelo esquisito que está em pé ao seu lado. Resumindo: você aprende NA MARRA a ser gente boa.

5) Capacidade cognitiva e filosófica
Janela de ônibus é praticamente a janela de sua alma. Não existe um lugar melhor para refletir sobre sua vida e colocar os pensamentos em ordem. Nem seu travesseiro; nem montes no Himalaia. Você acaba encontrando soluções para seus problemas, resolvendo cálculos complexos e tendo a ideia que faltou naquele brainstorm da reunião. Ou seja, de certa forma você se torna mais inteligente.

6) Educação
É no ônibus que você coloca em prática as palavras mágicas que sua mãe ensinou: “obrigado” (para o motorista, na hora de descer), “por favor” (a Deus, para que seu ônibus não demore tanto – todo dia peço isso a Ele) e principalmente o “COM LICENÇA” (por motivos óbvios). Ou seja: 1 ano de estágio probatório pegando ônibus e você se torna um gentleman ou uma lady.

7) Histórias para contar pros netos
Quem nunca passou por situações exóticas, engraçadas e inusitadas em ônibus? Quem nunca pegou o ônibus errado e foi parar em uma boca de fumo? (eu já!) Quem nunca ia descendo do ônibus e só na escadinha disse: “eita, esqueci de pagar! Perae moço!” (eu já) Quem nunca já sentou ao lado de uma senhora que foi com sua cara e resolveu te aconselhar com muita sabedoria? (eu já…)

É isso, pessoal. Se vocês lembrarem de mais benefícios trazidos pelo ônibus, deixe nos comentários ou fale comigo via Twitter. Terei o maior gosto em compartilhar experiências com vocês.

Update: curta a página do blog no Facebook :D

 

 

Você também pode gostar de ler isso aqui

294 Comments

    1. o sotaque de Patos, né?
      como diz o matuto: é “mermo” que ver;
      parabéns Nanda pelo post…vc compilou tudo o que todo mundo sente, mas ninguém nunca tinha parado pra pensar sobre tudo isso.

    2. é exatamente isso mesmo Parabéns viu =D
      perfeito e sem nem ao menos perceber nóis passamos por situações assim todos os dias!!

  1. Ler! Desde que não surja alguém tocando no violão uma música que compôs para o candidato fulano (sério!), é o único lugar em que posso ler um livro tranquilamente.

      1. Pois não venha para Salvador cara. Além da poluição sonora do trânsito tem a criatura pondo pagode/funk/rap, o cara do amendoim e o cara do Manassés. Sem falar na galera que conversa aos gritos no celular ou com seu colega do lado. Eu só ando de fone em ônibus.

        1. Curitibano é curitibano né?! Ninguém conversa no “busão”, exceto a velha sábia! Então um livro vai bem…

          1. kkkkkkkk, é verdade, Curitibano é Curitibano, em qualquer lugar do mundo…. Curitibano no elevador é pior ainda……kkkkkkk Os publicitários deveriam fazer divulgação e propaganda no teto do elevador, venderiam mais….rsrsrs

        2. Moro em Ponta Grossa – PR, e aqui tbm tem o cara do Manassés… e teve algumas campanhas pra incentivar o uso de fones de ouvido…

        3. aqui também tem gente comendo pipoca ou salgadinho com direito à “trilha sonora”, ou seja, aquele barulho insuportável; além dos solavancos e freios repentinos que o motorista faz questão de caprichar, pois também já não aguenta mais.
          quem consegue ler no ônibus pode se considerar um sortudo.
          “viajo” todos os dias para ir e voltar ao trabalho o que quase sempre leva de 1:40h a 2:00 cada viagem e acho que é a pior parte do dia. beira o insuportável.

    1. E não venha para Fortaleza, onde você não é obrigado somente a escutar o som do funkeiro do fone, e sim o forró ou seja lá qual música o motorista colocou no som do próprio ônibus (no último volume), isso se você conseguir sentar pela lotação ou segurar o livro em pé sem morrer sufocado ou com alguma contusão devido a velocidade que se encontra o veículo.

      1. Em Fortaleza um ônibus não se pega se conquista mesmo, porém tenho cada experiência que renderia um livro e gosto demais de ter tido as tais, dá para se divertir e chorar!

      2. uma vez peguei um onibus lotado, em fortaleza, e pra piorar a situação tinha um pedinte deficiente sentado no meio do onibus, não tinha como passar, olhei pro home, dei-le uma moeda por solidariedade e e disse “pelamor de Deus, me deixe passar!”, num instante o caba abriu caminho =PP

        1. Sem contar que nossa Fortaleza tbm ta precisando de sombra nas paradas néh, rsrsrrs acho que ja peguei até bronze , esperando o “busão” .

  2. Fernanda, adorei seu post e é bem verdade. Quando alguém tem a capacidade de extrair algo de bom dessa experiência cotidiana – que nem sempre agradável-, é muito válido. Agora, conheço várias pessoas que nem andando a vida toda de ônibus aprenderiam alguma coisa útil para si e para o tratamento com as demais pessoas. Você está de parabéns pelo olhar diferenciado nesse seu escrito. Genial, eu diria. :)

  3. Uma vez, saindo do show do Rappa no Forrock, peguei o 2515 da Epitácio pro Castelo, cochilei e fui parar no ponto final do Valentina! Liso, o fiscal não me deixou continuar no ônibus, resultado: Uma caminhada no crepúsculo matutino Náutico, e para acelerar o processo, tocava a “cigarra” das casas e corria! :)

  4. Correr feito Peter Park em “Homem Aranha”; unidos do suvaco … com um arooooma…; ter a verdadeira noção de estar gorda, alguém insiste em lhe oferecer o lugar pensando que você está gestante; fazer todas as ligações que você não poderia, caso estivesse dirigindo; lotar mais ainda o ônibus porque o da frente quebrou ou porque tinha algum tarado lá; e pra quem é de João Pessoa/PB da década de 90, a inesquecível Melô do SETUSA!!!

  5. Perfeito o texto. Eu já pensei sobre isso tudo mas você sintetizou todas minhas ideias em um texto.

  6. Nossa, me identifiquei bastante com o seu texto,
    todas essas situações ja aconteceram comigO!
    Mas confesso, nunca havia pensado dessa forma,
    apesar de serem todas verdades;)

    saudades de você
    e parabens!

  7. Fernanda, acabei de conhecer seu blog. Adorei esse texto e os demais q li agora.
    Ah, esse post já tá super espalhado pelo facebook,viu?! Um compartilhamento após o outro….
    Parabéns!

  8. Certa vez peguei um ônibus e me sentei em uma cadeira + ou – no meio dele, quando ouvi uma senhora recitando sonetos, a cada cadeira que vagava mais na frente eu ia me aproximando daquela senhora e percebia que suas poesias eram cada uma mais belas que as outras, quando consegui realmente chegar a ela vi que estava com um caderno que segundo ela tinha mais cem sonetos, infelizmente chgou a minha parada e fiquei na dúvida se decia ou continuava a viagem que estava muito especial. Resultado: Desci do ônibus e até hoje me arrependo da decisão que tomei naquele dia…

  9. Triste é você ser educado com aquele idoso que está em pé e quando você se levanta para dar “cheia de vontade” o lugar a o cidadão, ele olha na sua cara e diz (em tom grosso) “tá me achando com cara de que? Não preciso sentar!”

    Trauma pelo resto da minha vida –‘

  10. Nossa! Amei seus comentários!! Realmente no busão acontece muitas situações assim, eu que o diga, quando era estudante do ensino fundamental pegava o circular as 5:55 da manhã pra chegar as 6:55 na escola!! Enfim eu moro perto de tudo que é longe!! E sem falar nas vezes estava com crise de alergia e os olhos lagrimejam muito e muitas senhorinhas simpáticas diziam que tudo ia melhorar na minha vida, que eu não chorasse por isso!! Hilário! Andar de busão é um aprendizado e tanto!

  11. Nossa, que texto interessante. Sempre senti isso que foi escrito…todas essas etapas, e a 5) Capacidade cognitiva e filosófica realmente é fantástica…afinal da janela você vê tantas realidades, muitas diferentes das suas e você acaba fazendo uma análise de sua realidade…
    Tenho muitas histórias, mas contarei as mais recentes, um dia de sabado, deixei o carro e fui de bus trabalhar..peguei SOMENTE o R$ da passagem, tava ate sem bolsa…ai quando eu entro, e o motorista ja acelera, e eu coloco a mão no bolso….sabe o onde estava o R$? Nem eu! Perdi! E diante daquela situação( eu com a cara no chão de vergonha) procurando o R$, sem achar…finalmente peço ao cobrador para descer, pois não tinha como pagar, então uma Senhora se levanta e paga a minha, e sabe o que ela era? Uma diarista. Sim. Ela pagou a minha passagem. Que lição foi essa! E outro, um tanto “trágica”, foi quando voltando do trabalho, horário de pico, ônibus lotado…entra um morador de rua, sujo. Não era qualquer sujeira. Era cocô. Isso. Um cheiro insuportável. Na hora pensei na condição de miséria do homem…E enquanto muitos debochavam, zoavam do homem…eu refletia e conversava com Deus…
    Parabéns pelo texto!

    1. Cara, que histórias! Tenho certeza que a gente aprende muita coisa andando de busão, além dessas que tem no texto :) Sucesso em suas jornadas, Nhirla :D E valeu pelo comentário ^^

    2. Já aconteceu comigo de um morador de rua (daqueles que não tomam banho a meses) sentar do meu lado. Como Nhirla, fiquei pensando na condição de miséria que tantos vivem e em como é bom ter água e sabonete todos os dias para tomar banho e como seria bom que todos pudessem ter a oportunidade de ter higiene em seu dia-a-dia (coisa tão básica)… O homem fedia muito. Tinha unhas pretas, uma roupa suja de barro, apesar de não estar rasgada… Barba enorme e cabelos grudentos… Não sai de perto por respeito ao ser humano e até porque ele se encolheu na cadeira de modo que não tocou em mim… Não deu uma palavra. Quase que peço licença e vou para um lugar longe, mas me aguentei; afinal, ele também tinha direito de sentar e o lugar estava vago. Um turbilhão de pensamentos ocupavam minha mente e se misturavam com as percepções dos meus sentidos (visão e olfato principalmente)… As caras das pessoas ao redor, o jeito de olharem para ele… Eu quiz muito que chegasse minha parada… Mas enfim, a dele chegou antes, ele levantou e saiu. Ai duas mulheres vieram “conversar” comigo… “mulher, como você aguentou?” “Ele fedia a podre” “Você podia ter saído de perto, eu fui lá para o fundão” Eu só disse: “Tem nada não…” Mas fiquei pensando em como é triste a gente chegar em um lugar e todos terem vontadee de sair de perto…

    3. FORTALEZA – Eu, garoto de dez anos indo pra escola, ao tentar passar por baixo da catraca, o trocador intercepta a minha passagem com o pé. Recuo, sento na ultima fileira de bancos e fico lá de cara amarrada, travado. O busão chega no fim da linha, todo mundo desce, menos eu; o cara pergunta: vaí ficar aí? E eu mudo, travado. O FDP, enfim, diz que eu posso passar. Perdi a aula e voltei para casa. N’outra ocasiao, dormi. Quando acordei tinham passado carvão no meu rosto. E tem outras tantas histórias…

  12. Almejar a simplicidade!

    Quer algo mais simples do que um ônibus vazio!? Olhando de uma perspectiva externa, ônibus vazio, não eh de grande importância para a sociedade! Haha
    Mas para usuário deste meio, “pegar” um ônibus sem praticamente todas as cadeiras livres é quase uma Benção.

  13. E é justamente isso q passamos todos os dias não só aki em Recife mas em todos os lugares do País..senão do mundo. Uma situação emmorável foi um violinista aqui em Recife tocando umas lindas músicas e pedindo contribuições para gravar seu cd. Meses(talvez ano) dpois fui à uma premiação de música aki mesmo em Recife..e lá estava esse vionilista mostrando sua música ao povo como convidado principal.

    Parabens pelo texto.
    (compartilhado no face =D)

  14. Acredito que o sexto sentido também fica bem exercitado com a experiencia do onibus. Eu dormia a viagem inteira, mas sempre acordei perfeitamente na parada anterior a que eu desço!

  15. Nossa, muito bom o texto! Concordo plenamente com tudo!!!
    melhor parte: “corre atrás do onibus como super mário atras da princesa” HAUHUAUHAUHA muito bom.
    Está de parabéns pelo texto!!!!

  16. Ola! Vi esse link por alguem no facebook e gostei muito do seu texto, achei sensacional! Parabens!

  17. UAHUEHUAHEUHAUHUEHUAHUE

    Estou adorando os comentários de vocês ;D To pensando seriamente em fazer um vídeo lendo e comentando as histórias mais cabreiras. O que vocês acham? ;)

  18. Muito bom!
    e acrescento a parte de ‘lutar pelos seus direitos’ com o famoso: EEEEEEEEEI VAI DESCER! … na hora que o motorista queima a parada que vc pediu minutos antes hahaha

          1. Uma vez um cara inventou uma palavra quando reclamou disso, não lembro se foi “motorense”, “motorador”, “motoreiro”. Só que todo mundo achou graça dele porque ele gritou.

      1. Eduarda, eu diria que foi uma experiência desagradável mas decisiva para a formação do meu caráter.
        Sem levar em consideração o fato de eu ter ânsia de vômito todas as vezes que escuto Dona Ivone Lara tocando no rádio.

  19. Muiiitaaa verdade!
    E isso ocorre em qualquer canto do Brasil!
    Recentemente eu peguei o bus errado e fui parar no ponto final. O cobrador foi conversar com o fiscal para me deixar voltar no circular sem pagar outra passagem!!rsrsrs…
    Usar ônibus é mergulhar em um mundo de aprendizado!!kkkk…

  20. Não podia ser mais verdade! Sei bem i que é isso, já passei por tudo isso e mais ainda. Estou há 10 anos pegando ônibus quase todo dia XD (dos 11 aos 21)

  21. Nossa, que texto legal. Eu admiro tanto a capacidade de tirar coisas boas de coisas geralmente não tão boas, que apenas poucas pessoas possuem (eu não tenho esta habilidade, rs). Parabéns. Ótimo texto.

    1. Dicas para não se estressar tando no trânsito…
      1 – Ouvir as músicas que você mais gosta;
      2 – Cantar junto;
      3 – Conversar com os passageiros sobre coisas legais;
      4 – Aprender que a paciência deve ser usada nessas horas;
      5 – Dar espaço para o carro do lado poder ir para a sua frente sem achar que vai chegar mais tarde por isso;
      6 – Respirar fundo e soltar o ar beeeem devagar rsrsr
      7 – Ser feliz por qualquer coisa!

  22. amei, cheguei a conclusão que todos os ônibus são iguais pois é exatamente assim que me sinto em relação a eles. Afinal, para aquele que quer ouvir a voz de Deus e aprender riquesas da vida as dificuldades se mostram como bons oráculos. e viva o “buzú”. @CristianaPS

  23. Muito legal esse post,realmente,andar de ônibus acaba moldando o caráter de algumas pessoas.
    Infelizmente tem gente que nem assim aprende.

  24. kkkkkkkk. muito bom! quantas histórias de ônibus!! você ainda aprende a ser chato – brigar com o motorista quando ele arranca e você mal subiu na escada, lutar pelos seus direitos – brigar pelos centavos que o cobrador NUNCA tem para lhe passar o troco correto, zelar pelo patrimônio público e a ter dó… :D

  25. Oi, Fê!

    Muito bom, seu texto! Seguem minhas contribuições sobre “Experiências Extra-buzucionais” (rsss… essa, eu inventei agora…):

    O Exercício da Gentileza:
    http://prosopoetica.blogspot.com.br/2012/01/o-exercicio-da-gentileza.html

    Como se Chamaria:
    Parte1
    http://prosopoetica.blogspot.com.br/2011/06/como-se-chamaria-parte-1.html
    Parte 2
    http://prosopoetica.blogspot.com.br/2011/05/como-se-chamaria.html

    Forte abraço!

    Vou te add no Face, OK?

  26. Uma vez fui fazer uma endoscopia e saí do médico grogue.
    Minha namorada estava me acompanhando e entramos no onibus.
    Eu não estava falando coisa com coisa e parecia um retardado…
    Um monte de gente tava cedendo lugar para nós…rs
    Eu nem me lembro disso por causa do remédio mas minha namorada
    me contou…

  27. Eu ja paguei a passagem e passei por baixo da roleta quando criança kkkkkkkkk… era o costume.

  28. ameii o post… e ja entrou uma barata na minha roupa dentro do onibus.. ainda bem q nao estava muito cheio.. rsrsrsrs! kkkkkkkkkkkkkk

    nossa, janela da alma mesmo, principalmente “com essa idade eu achei que ja estaria dirigindo meu carro, estou nessa poha” rsrsrsrs

    já discuti até com o ladrão antes dele levar meu celular, xinguei até a terceira geração.

    já fiz o pagodão no fundo quando era ensino médio… rsrsrs

  29. Jáandei muito de busão! Graças a ele sou oque sou hoje, lógico que meus pais que me ensinaram e o busão foi o estágio.

    Hoje após formado e trabalhando, comprei o meu carro, mas ainda levo comigo os aprendizados nos tempos do busão!

      1. Concordo plenamente. Todos deviam passar os anos da faculdade suando e sacolejando dentro de um busão a 100 por hora… Forma caráter…

  30. Até poético, mas na prática… ninguém merce esse sofrimento; chuva, sol quente, ônibus que não param, mal humor dos cobradores, pessoas agradáveis, mas na grande maioria muita gente grosseira, (fruto da insatisfação por usar um transporte público que não oferece o menor conforto) enfim, não faz minha cabeça messsssmo, usar coletivo. prefiro andar a pé. Deixo claro que não discordo da bela lição de vida que todo jovem deve viver quando usuário de coletivo, mas depois de certa idade, é só desconforto e stress andar de ônibus. E quando se é cadeirante, as dificuldades se agigantam de tal modo que prefiro nem comentar…

  31. Excelente! Ônibus, assim como a praia, são espaços democráticos . Ainda que muita coisa nos incomode as lições a serem aprendidas são imensas. ISso inclui ser gentil com os diferentes e fazê-los saber que eles podem ser gentis também. Agora, como em todo espaçõ público, ainda mais nas capitais, olhos bem abertos é sempre aconselhável.

  32. kkkkkkkkkkkkkk!!!! Estou apaixonada por esse texto! Concordo plenamente com tudo. só tem uma coisa, andar de ônibus durante muitos anos, como sua única opção, pode ter efeitos colaterais indesejáveis:
    1 – Você pode se tornar depressivo, devido ao alto índice de sujeira, apertos e grosserias alheias;
    2- Uma pessoa desesperada, por passar a vida correndo atrás de busões e não ser correspondido
    3- Uma pessoa com raiva no coração, por ter que aguentar as pseudos músicas em volume profundamente alto, fazendo com que no fundo, esse orgão tão fofinho, começa a ficar enegrecido;
    4- A lista é infinita…

    kkkkkkkkkkkkkkkkk!!!!

  33. Estimula também o pensamento estrategista, porque vc fica querendo decorar em qual horario vai ser ou nao lado do sol, pra poder sentar na sombra. Ótimo texto, meus amigos do Facebook tinham compartilhado e compartilhei também. Bjo

    1. Faço demais isso… vejo o lugar do sol, onde me posiciono na fila pra entrar mais rápido, locais onde o ônibus não lota tanto, em qual bolso deixo o bilhete eletrônico… Hahahaha

    2. Essa de escolher o lado do sol me fez também refletir meu lado teimoso. Usuária do mesmo ônibus há anos, chegou uma moça, do Crato, falando com aquele sotaque bem carragaDInho dizendo que o lado da sombra era o outro na maior parte do percurso… E eu ‘não, minha filha, ando nesse ônibus faz tempo e o lado da sombra é esse aqui o tempo todo’. Seria, mas pela manhã. À tarde, era o que ela tava falando. Depois que ele dobrou, lá vem ele ‘de com força': o sol, torrando a ‘mulêra’ da teimosa. Nunca mais deixo de prestar atenção neste bendito. :P

      1. UHAUAHUEHUAHUAHAUHAUAHUAHAUHAUA Tá vendo aí???? A pessoa aprende até noções de física (o posicionamento da sombra com relação ao horário) :D Beijão, Carol

    3. Ahahaha faço muito isso, decorar a posição do sol! O lado do bolso que ficará o passe e o celular também, de acordo com que cadeira sentarei. E claro, em que parte do ônibus sentarei, de acordo com o horário (se for lotar, sentar perto da saída).
      :)

  34. muito bom texto!! andar de ônibus além de tudo isso que você bem descreveu ainda proporciona uma boa dose de cultura pop: você fica por dentro de todos os hits pop do momento, afinal rádio mais popular está sempre sintonizada ou através do celular sem fone de ouvido mais próximo, sempre tem um rsrsrs, horóscopo do dia, resumo de novela, etc…

  35. Tenho 30 anos, e tenho uma empresa. Sou considerada por algumas pessoas como uma “empresária” naquele perfil que não “deveria” usar o transporte público – porque eu “não preciso”. Minha empresa fica em Santos e eu vou mais de uma vez por semana a São Paulo em reuniões. A maior parte mesclando ônibus, metrô, e algumas vezes táxi. Isso facilita muito a minha vida, em termos de produtividade, segurança e paz. Em alguns momentos, quando um cliente mais “tradicional” me pergunta onde estacionei meu carro, dou aquela disfarçada. Até explicar para o cara que eu uso o transporte público, o cara já associou a minha imagem (e da minha empresa) a de uma pessoa que “não tem condições”. Alguns inclusive podem deixar de fechar negócio comigo por esse motivo. Eu não tô nem aí… nessa equação ganho mais do que perco, por inúmeros fatores: otimização de tempo, produtividade, criatividade, observação filosófica, reflexão. Em uma dessas aventuras, conheci o taxista Jailson (http://www.juicysantos.com.br/2011/06/jailson-taxista-uma-experiencia-circulando-por-sao-paulo). Usando meu carro, jamais teria uma experiência dessas. Jamais teria visto N histórias no metrô… enfim. Quero parabenizar você por um post que eu gostaria de ter escrito.

    Ludmilla

    1. Poxa, Ludmilla, que história legal. Acho maior bobagem quem tem preconceito com isso. Minha chefe, inclusive, anda de busão. E você me deu uma super ideia: um texto sobre aventuras de taxi. Abração!

  36. Agradecimentos eternos ao Rio Doce / CDU que me transformou num apessoa mais sábia em apenas 6 meses! hahaha… e ainda me ensinou que, sim, é possível dois corpos ocuparem o mesmo espaço!

  37. Belo texto. Como ex-usuário de ônibus de São Paulo, hoje em dia não deixaria de ir trabalhar de carro para encarar o busão lotado, caro e mal-cheiroso. Já tive a minha parcela de “sofrimento”.

  38. Minha identificação par excellence é com o ponto 5, mas o texto como um todo é excelente e além de bem humorado, é educativo (o que mais precisamos no Brasil que educação?).

  39. Muito legal! Tenho saudades do tempo que eu curtia ônibus. O seu texto é uma grande realidade de muitos. Em se falando de ônibus existem situações inesgotáveis. Uma das coisas que me fascinava era também o tempo que passava nas paradas esperando “meu ônibus”, ficava curtindo os rostos que via nas janelas das variadass linhas que passavam. Ficava imaginando de onde estariam vindo? Onde moravam? Que trabalho fariam? Quais seriam seus problemas? Será que um dia cruzariam suas vidas com a minha? Foram milhares de rostos que só uma vez passaram tão perto de mim. Onde estarão agora?

    1. Que massa isso, bem filosófico, vc se perguntar sobre pessoas que talvez vc nunca mais verá na vida, ou se ver novamente talvez não se lembre.

  40. hahahah adorei o texto! teve uma história que me emocionou um dia desses no ônibus: entrei e vi o cobrador comendo um pedaço de bolo de chocolate numa dessas bandejinhas de supermercado. Na hora achei meio esquisito mas não liguei muito… enquanto andava procurando um lugar pra sentar, vi uma moça lááá na última fileira comendo um pedaço de bolo igual, e com várias sacolas de mercado penduradas no braço. Sei lá, pode ter sido só coincidência, mas gosto de pensar que foi ela que deu o bolo pro cobrador mesmo sem conhece-lo e sem ele ter pedido.

  41. Texto sensacional! Parabéns :)
    Sem dúvida, nós que andamos de ônibus nos encontramos em suas palavras! hehe

  42. Na hora que bati o olho me identifiquei! Ando de onibus todos os dias e, ai ai, passo por cada situação. Nao posso dizer que sempre é bom, mas na maioria das vezes dá pra tirar proveito de muita coisa. Ou entao, frustraçoes kkk Esses dias cochilei e como minha linha é expressa fui parar numa empresa razoavelmente e tive que voltar a pé pra casa senão perdia a hora kkk Mas tudo bem…

    Enfim, gostei tanto do texto que postei ele no meu blog. Dei os devidos créditos, mas se quiser visitar fique a vontade: http://contandoentrelinhas.blogspot.com.br
    Beijos

  43. realmente fantástico o texto ‘viajei legal” e a maior experiencia que a gente pode ter aprender, refletir, pensar no outro ser menos bostético e comigo a experiencia foi parar na porta da farmácia comprar um analgésico e voltar para dar o comprimido ao motorista que estva com dor seguir viagem e ele dizer obrigado minha dor passou nao teve preço..é o lugar ideal para quem quer aprender a ser gente……

  44. Seu texto me lembrou um velhinho meu:

    Os Impactos dos Meios de Transportes nas Olimpíadas de 2016

    De galho em galho por esses diferentes processos seletivos que tenho feito sempre me pedem uma redação sobre Os Impactos das Olimpíadas de 2016 para o Rio de Janeiro. Eis que hoje, por volta de 7:30 da matina me ocorre uma ideia exatamente contrária àquela que as pessoas insistem em colocar como tema nessas provas. Gente, não são os meios de transportes que serão mudados. Não, não, não. São justamente alguns desses meios que vão causar impacto nas Olimpíadas, e positivos. Eles vão alterar visivelmente nosso quadro de medalhas. Vejamos o porquê:

    Sinta as cenas:

    Você está a caminho de um ponto de ônibus em Caxias e resolver olhar para trás. Quem é que vem? Ele, o famoso Juremão, que vai pra Central emitindo uns 500kg de CO2 na atmosfera. Medindo cerca de 12 metros ele está, é óbvio, bastante acima do peso, acho que umas oito pessoas/m². Você se desespera, o próximo ônibus é o do engarrafamento, corre como um louco com o braço esticado fazendo sinal para conseguir chegar no ponto a tempo.

    E aí, que esporte temos?

    Handebol!

    Para ser mais exato, é um treino para aquela mesma corrida louca com o braço esticado e a bola na mão que os jogadores dão na tentativa de fazer um gol.

    Beleza. O motorista, solidário, resolveu parar.
    – Mas ó, amigo, aqui não é o ponto não, hein?!
    – Tudo bem, piloto, o dia está só começando

    Praticando um Taekwondo pra garantir a sua vaga – pagar a passagem aqui, amigo, te garante um lugar, mas não O lugar. Pode ser desde um assento à saída de emergência do teto do ônibus -, você vai entrando. Golpes bem planejados (Aptcha Oligui, Bandê Jirugui ) e ganha o seu espaço no deslize do adversário.

    Pausa para explicar o seguinte: Esses esportes também podem ser tranquilamente praticados por quem anda de trem. Aliás, seja agarrado aos balaústres dos ônibus (isso, aqueles ferrinhos) ou nas chupetas dos trens, também é possível manter o treino. Mas no caso de se agarrar às chupetas dos trens a modalidade é diferente, estamos falando da Vela. E você não deve ficar triste se no caso do ônibus o motorista meter o pé igual um louco. Porque, no fundo, ele quer te transformar em um velejador de primeira, que não desgruda do ferro nem sob tortura. 2016 tá aí e você não tem a oportunidade de treinar com o Torben Grael; então, aproveite o trem!

    Aí você começa a perceber que você não é mais você, assim com toda essa independência, mas é um órgão desse corpo todo chamado ônibus/trem. E quando você é um conjunto (aliás, é tão grudado que nem é mais “você é”, mas “você são”), fiel, não há mais choro nem vela. Não tem essa de pisou no meu pé, sarrou em mim, desarrumou meu cabelo. Quer conforto? Vai de Táxi! Aqui, é todo mundo unido, um corpo só, uma só atitude, um único objetivo: chegar ao querido trabalho. E quando olhamos essa massa toda em um mesmo movimento, é impossível não pensar que seja um belo preparo para oooooo. Ooooo….

    Nado Sincronizado!

    Porque se nesse calor gostoso que tem feito às sete da matina, a gente vai no mesmo “pra lá e pra cá” desse jeito, imagina o que a gente não faz na água fresca?

    Tamo junto? Lugar garantido? Fique nessa posição a viagem inteira: Yoga! Tá eu sei que essa modalidade não tem nos Jogos Olímpicos, mas vale a concentração.

    Finalmente é chegada a hora de descer. Não que o ponto esteja próximo, mas é preciso ser entecedente, pois até chegar à porta do ônibus você pratica Boxe, Esgrima, Luta e Pentatlo Moderno (que eu não sei o que é, mas certamente dá pra praticar). Respire fundo. Visualizou a porta? Trampolim Acrobático e, zap! Pulo para fora do ônibus.

    E, aí, vai continuar mesmo nesse coro dos impactos pro Rio? Olha, quero queimar a língua, mas estou achando que se não mudar logo a coisa somos nós que iremos impactar bem mais. E que pena que as mudanças sejam apenas para os Jogos Olímpicos. Tá cheio de atleta nos nossos ônibus, trabalhadores fazendo milagre no dia a dia e cadê o patrocínio?

    1. Parabéns pelo texto, de verdade. Admirei o modo com o que você ligou um assunto ao outro, com uma sacada irônica inteligentíssima e verdadeira. Assim como o texto sobre o ônibus que vim ver nesse blog , fiquei apaixonada pelo seu. É bom ver que ainda existem pessoas que veem o lado positivo das coisas que passamos cotidianamente.

  45. Depois de “7h30 da matina” a vírgula sumiu. E também esqueci de trocar para “antecedente” no penúltimo parágrafo, e não “entecedente”.

  46. Muito bom!
    Não esqueço um dia que o ônibus estava completamente lotado e o motorista não estava mais parando nos pontos, pois não cabia mais ninguém MESMO. Daí ele passou em um ponto que sempre tem mais gente, tinha umas 4 pessoas e ele passou, só que o sinal fechou! Um cara que tava no ponto começou a bater na porta, foi pra frente do ônibus e pediu pra abrir, o motorista falou “Não cabe mais ninguém” e ele respondeu: ” E EU COM ISSO?” hahahahaha a parte genial é que todo mundo dentro do ônibus riu, comentou, mesmo estando em uma situação péssima de ônbius lotado, deu pra perceber que falta só um pouco pra amenizar a situação, gerar sorrisos e cumplicidade,.

  47. Um dia peguei um ônibus não completamente lotado em um sábado de manhã. Depois que eu entrei, subiu um senhor de uns 70 anos e começou a cantar sozinho, baixinho no canto dele aquelas músicas bonitas e românticas da época da sua juventude ( e ele cantava bem viu !), quando todo mundo começa a escutar, fazem silêncio e o ônibus inteiro começa a admirar as lindas canções do senhorzinho. Mas na frente sobe mais um senhor, que se senta ao lado do cantor, e vejam só, eles começam a cantar juntos e comentam sobre cada canção, quem cantava, o ano que estourou nas rádios.
    Mas o mais interessante foi o que eles contaram no final pouco antes de descer: um deles disse que bons eram os cantores de antigamente, pois cantavam por amor nas praças, no meio da rua, por isso TODOS MORRERAM POBRES. Já hoje, os cantores de hoje só querem saber do dinheiro do povo, só cantam se for num palco e fazem músicas sem coração…. Isso me fez pensar muito naquele dia.
    Moro em Fortaleza-CE

  48. Pois é… a luta diária de algumas horas no ônibus.
    Uma vez, com a minha antiga namorada, voltando de ônibus do colégio, um homem teve epilepsia dentro do ônibus, e ele caiu no chão e começou a se debater nas ferragens abaixo dos assentos. Todos se afastaram dele, assustados. Então entreguei minha mochila pra namorada e puxei o homem, e o sentei no chão, segurando para que não se machucasse. Após passar a crise, ele foi encaminhado ao hospital e minha ex namorada disse que se apaixonou por mim aquele dia, ao ver que eu era uma pessoa boa. Hahaha

  49. Excelente texto Fernanda! Depois de uma infância e adolescência inteira pegando ônibus, me identifiquei com cada frase!
    O mais bacana é que me fez lembrar tanta coisa boa, engraçada (e algumas tristes) que eu já vi por aí…

    Já aconteceu comigo de, na mesma semana, pegar ônibus quebrado em 3 dias! Em um dele eu peguei um, ele quebrou. Descemos, subimos em outro e esse outro quebrou de novo, no mesmo percurso!
    Já perdi prova por causa de ônibus errado, já vi barata, gente vomitanto, um homem que bateu numa criança só porque ela tava falando alto (todos os homens do ônibus levantaram pra bater no cara e ele desceu correndo… O menino ficou em choque, mas não se machucou)… Já teve bêbado super gente boa puxando assunto comigo, bêbado bizarro com jeito de malandro tbm, turista perdido na cidade… Já fiquei sem dinheiro e um rapaz pagou a passagem pra mim, já levei esporro da cobradora porque usei o passe estudantil da minha irmã, já vi muita gente caindo e se machucando, já caí várias vezes também em freadas bruscas, já fiz amizade com um cobrador e um motorista de um ônibus que eu peguei durante muitos anos, já me emocionei com um mendigo que, ao se sentir muito humilhado antes mesmo de pedir dinheiro, entrou na crise de choro mais sincera que eu já vi e desceu do ônibus sem dizer uma palavra e sem aceitar nada de ninguém…
    É, o aprendizado disso tudo é enorme!

    Parabéns pelo texto, adorei!

  50. Ei menina,
    Conheci seu blog pelo face, ta todo mundo compartilhando!
    Ônibus é loucura mesmo, todo mundo tem que experimentar e ser um pouquinho louco.
    Já vivi de tudo dentro do coletivo, mas, me divirto muito lembrando de alguns episódios…
    Ano passado, no dia 13 de maio, 2 assaltantes entraram no bus! Que medo viu! Eu estava voltando do Inglês, e com ajuda divina escondi meu celular e meus pertences por todo o meu corpo, e todos os passageiros foram roubados, MENOS eu.
    Quando os meliantes sairam do bus, liguei para minha mãe aos prantos, e ela diz : ‘ minha filha desligue o telefone! O ladrão vai ouvir!!!!! Desligue logo! ” SÉRIO, só minha mãe pra achar que eu estaria ligando com os assaltantes dentro do coletivo ainda.
    Eu não dei risada na hora, pq foi mais trágico do que cômico. Porém, hoje em dia rimos muito disso…

    Beijo de Salvador!

  51. Gente, muito boa a reflexão!!! Quando eu era acadêmica, cheguei a pegar 8 ônibus por dia, cada percurso chegava a um hora; era um sufoco! Nesses 5 anos, vi de tudo, passei por “n” situações. Fiz do ônibus, meu espaço de leitura, realizei trabalhos manuscritos, respondi questionários, etc. Passei por vários momentos tensos do tipo: um cara vem e alisa a tua mão; outro finge dormir e vem caindo por cima de você; um certo dia, vinha da faculdade por volta das 23:00 horas, reclinei a cabeça para trás, fechei os olhos para descansar o corpo. Nesse momento, o passageiro do lado, foi se fastando tanto, a cada curva que o ônibus dava, que fiquei “espremida” na parede da janela; ele só faltou sentar no meu colo. Pra completar o constrangimento, me acariciou com a coxa dele na minha coxa, os braços esfregando nos meus, foi muito constrangedor! Quando percebi a sua ousadia, ele puxou a cigarra e desceu, felizmente!

    Noutro dia, estava com minha auto-estima baixa, pois havia brigado com meu marido. Ele me falou palavras desestimuladoras do tipo: “como tu estás feia, velha, magra”, etc. Ao sair de casa, peguei o ônibus e o motorista me ofereceu um bombom em formato de coração e ficou durante todo o percurso me “flertando” pelo retrovisor….

    Teria muito mais, mas o tempo está curto….

  52. Muuuito legal seu post, li por a partir de um compartilhamento no FACEBOOK e me enxerguei nele, srsrsrsrs…

    Tenho várias histórias, mas nem vou contar aqui já contaram muitas. Porém não posso deixar de dizer que, por causa da minha vida tão corrida, é praticamente impossível andar de ônibus e não dormir, desde que ele não esteja “absurdamente super lotado”, nem preciso sentar pra tirar uma soneca. Sério.

  53. Tenho um problema sério com baratas em ônibus! Vivo encontrando e leventando de onde estou sentado para que elas não venham até mim, pois tenho pavor!
    Outro dia arranquei o sapato e matei uma barata que estava na janela do banco da frente e estava vindo na minha direção. A pessoa da frente assustada me olhou e eu disse: “Meeeeu uma barata, que nojo… ela vinha na minha direção. Ela poderia ter pulado em você!!!”

    Adorei seu post! Muita gente ainda anda de ônibus e continua “podre”, para alguns nem o ônibus dá solução!

  54. Gosto da sensação que o ônibus me dá.. de ver gente nova, de tomar alguns sustos as vezes, de dormir e acordar assustada com medo de perder o ponto, fiz amizade com uma senhora certa vez que me contou tudo sobre sua vida, que era viúva a muito tempo, e que nunca teve filhos, e que hoje mora sozinha em uma casa gigante, além de chorar com ela me ofereci a visita-la e a manter sempre contato pelo telefone,, me senti leve a cada vez que aquela bela jovem senhora me elogiava, ela dizia que estava me vendo com os olhos da alma… que dia foi aquele..
    Existem também os dias de amor platônico e a primeira vista, aquele momento de aflição ao sentar ao lado de uma pessoa e imaginar seu namoro, casamento, bodas de ouro e sem trocar uma palavra essa pessoa chega no ponto e se vai..
    Há o medo de quando alguém estranho (até demais) entra pela porta de trás e você começa a discretamente (ou não) esconder seus pertences nos bolsos..
    E há também os dias em que peço a Deus pelos que pedem de uma maneira tão subordinada e verdadeira, que não se dá pra olhar nos olhos e de certo modo sentir-se culpado por não poder ajudar mais..
    Duas vezes já encontrei com um homem que pede em virtude da contração da Aids, que segundo ele foi causada por um erro médico em um transplante sanguíneo, olhar aquele homem bonito fazer aquilo me dói, mas acho digno seu caráter de ir de cara limpa falar o que tem e ignorar a cara de algumas pessoas, que por ignorância ou grosseria tem medo de toca-lo…
    E assim vou, fazendo amizade com o cobrador que sabe até em quais matérias preciso estudar mais de tanto que eu pego os livros no ônibus, o mesmo, todo santo dia.. E quando não, ele sente a falta, pergunta se está tudo bem e como esta o meu irmão, que me acompanha em grande parte das minhas aventuras.. Acho mágico sim andar de ônibus, e agora vejo que não sou a única que ver beleza em mudar um pouco a rotina de olhares, pensamentos, e filosofias, durante 1 hora de viajem do colégio pra casa..

  55. Feeeeeeee adorei dei muita risada, eu vivo cada dia uma aventura nos onibus de SP. Tem tbm os contatos fisicos onde vc se vê esprimida pela multidão sempre muito cheirosa #sóquenão e ainda tem que procurar algum lugar pra ficar olhando pq esta sem graça de estar tão grudada na outra pessoa kkkk mas adoro ler no onibus, como aqui a gente leva mais ou menos 1h 2h pra chegar aos nossos destinos ler é a atividade perfeita! rs Beijos e parabens pelo texto! Saudades

  56. pq sempre comparam camaro como sendo um carro as pessoas realmente n intendem nada de carros só de beleza ou potencia isso é ridiculo camaro é uma banheira traçao traseira

  57. Muito bom o texto. Demorei uns 30 minutos para ler, porque lia em voz alta para que um amigo escutasse. Não conseguia controlar o riso estérico a cada palavra. Reli o ponto 2 cerca de quatrocentas vezes. Realmente, adorei!

    Parabéns pelo texto muito bem sucedido!

  58. Incrível o seu texto :) Queria ter feito ele <3

    Eu andava bastante um tempão atrás, peguei uma fase de carro, e há dois meses estou nessa de novo. E vou acrescentar um item ao seu post: Agora tenho tempo de ler. O tempo que antes era GASTO no trânsito #chatiado, agora é invistido em bons livros.

    E uma dica boa pra dar uma diminuída no barulho (cobrador e motorista CONVERSANDO, povo no celular, e a barulho do motor cagado do ônibus) e se concentrar melhor são aqueles protetores auriculares que vendem em farmácias. Fico no meu mundo do livro e faço duas coisas ao mesmo tempo: aprendo e me locomovo <3

    Beijos e parabéns de novo

  59. Cara, o erro desse texto… EH Q AINDA NAO FIZERAM UM LIVRO SOBRE ISSO! Cara, pegar onibus é uma arte. Eu sou do tipo q ate hoje nao consegui me acustumar com isso.. mas vou ter que concordar que existem coisas que SÓ NO ONIBUS a gente faz. E uma delas e refletir sobre a vida. Não só dentro do ônibus.. mas tb enquanto espera na parada. Sem contar as pessoas que estão lá. Eu sempre encontro as mesmas pessoas.. e se elas nao estiverem lá… é pq eu peguei o busao errado!
    A parte gentleman tb é bom pra vc passar energias boas pras pessoas. O simples pedir pra segurar a bolsa méeegapesada de quem tá em pé (e fulo da vida pq nao conseguiu sentar) já melhora 20% do dia!
    Esse lance de encontrar pessoas de tudo que é jeito. Velho, mendigo, doente, dorgas, pobres, mae, filho, pai, avô, gravidas. Principalmente pessoas que vivem realidades completamente diferente da nossa é a hora que vc reflete sobre sua vida monetaria. Q vc ta FULO pq ANDA DE ONIBUS.. e aí vc encontra pessoas em situações horriveis, e até ridiculas nesse pais tão rico e tão pobre. Eu to lutando agora pra ter carro, mas tenho receio do carro se tornar minha havaianas como acontece com muita gente que precisa pegar o carro pra ir na vendinha da frente. Não quero ser uma lady azeda sem sal que pisa no tapete vermelho. Acho que a riqueza vem do carater, da falta de frescura, enfim.

  60. Caramba, eu digo exatamente isso à muito tempo! “Andar de ônibus constrói o caráter!” Muito obrigado, minha xará feminina!

  61. Caramba, eu digo exatamente isso à muito tempo! “Andar de ônibus constrói o caráter!” Muito obrigado, minha xará feminina!

  62. eu sempre lembro a história de uma colega que estava no ponto de ônibus após vir da escola, e o pai dela vem dentro de um outro ônibus que pára bem no ponto onde ela estava, ele tinha tomado o ônibus errado, e achando que ela estava cabulando aula, puxa ela pra dentro do ônibus, e lá vai os dois em ônibus errado e contrários ao destino de suas casas.

  63. Adorei! Sempre achei que andar de ônibus era uma ótima maneira de se sociabilizar as pessoas, mas como falaste, tem muitos mais benefícios.

  64. Genial teu texto, exatamente o que eu acho.
    Tenho 24 anos, não tenho carro e passo por essas situações citadas todos os dias.
    Andar de ônibus é enriquecedor pra alma. hehe

  65. Haha, adorei. E pra te ajudar com as histórias de busão, eis a minha:
    Nesse dia eu tava com um monte de coisas na mão e quando cheguei na parada, o busão vinha passando. Não deu tempo nem de tirar a carteirinha de passe antes de subir nele (no Maranhão, a gente paga assim que entra). Entrei no busão e fui logo tirando todas as minhas coisas da bolsa, procurando a bendita carteirinha, e quando achei, tava com metade das coisas da bolsa na mão. Nisso, claro que o busão dá uma freada e cai tudo no chão. Saí catando as coisas no chão e me sentei. Na hora que eu desci, senti o sol bem na cara e percebi que meus óculos de sol não tava no meu rosto. O que eu pensei? “Merda, caiu no ônibus e não juntei!” Olhei pra trás e o ônibus tava saindo da parada. Corri atrás dele, dei uns murros na porta traseira e comecei a gritar desesperada: PARA A PORRA DESSE ÔNIBUS! Fala sério, meu óculo tinha sido o olho da cara! O motorista parou, abriu a porta e eu entrei perguntando pra todo mundo: alguém viu meus óculos, alguém viu meus óculos? Até que alguém responde: minha filha, seus óculos tão pendurados no decote da sua blusa. A minha vontade depois disso? Me jogar na frente no ônibus e deixar ele me atropelar, claro. Muito anta.
    Mas isso é só o começo, né? Além de tudo que você falou, quem nunca entrou no ônibus e na hora de pagar descobriu que tava sem dinheiro? Eu já.
    Amei o seu texto, ri muito com ele.

  66. Noossa seu texto é maravilhoso, fiquei rindo sozinho lembrando das minhas experiencias nesses anos pegando ônibus, me identifiquei com varias delas. Parabéns Fernanda.

  67. Fernanda Xará, andar e ônibus também tb é cultura, o motorista liga aquele som e a gente fica atualizado de todas as músicas que estão rolando por aí, só em ônibus a gente escuta aquele brega, funk ou pagode que jamais ouviríamos se estivessémos em casa ou com um fone de ouvidos…. kkkkkk beijos

  68. ADOREIIIIIIII! Hoje não ando mais de ônibus, só se não tiver outro jeito mesmo. Mas na época que andava (e andei muuuito) era desse jeitinho mesmo, Fernandinha. kkkkk Li com mainha aqui ao lado, e ela morreu de rir.
    Tu como sempre, arrasando, né?
    Parabééns pelo texto e pela percepção de tudo isso.
    Beijão :D

  69. O ônibus também trabalha seus reflexos, porque sempre naquele exato momento em que você se solta rapidamente pra coça seu olho, o motorista resolve dar aquele freio! por frações de segundos vc pensa: morri! mas vc rapidamente consegue se segurar!

    Adorei o post super me identifiquei! parabens!

  70. Oi Fernanda,
    1o. parabéns pelo texto!
    2o. gostaria de compartilhar outras coisas que aprendi andando de busã0:
    Aprendi a me virar sozinha, ser pró-ativa e determinada – ter q buscar informação sobre horários, etinerários e pontos de parada do transporte público não é nda fácil (pelo menos no Brasil). Isso me vez ser uma pessoa mais pró-ativa e determinada, pois tinha que encontrar, de alguma forma, essas informações pra me deslocar. Ou seja, não podia desistir!
    Aprendi a enfrentar a vida com mais possitivismo – pq enfrentar busão lotado na hora do rush, em pé, e no alto verão é um saco! Mas fazer o que? Melhor rir da situação, puxar um papo com alguém do lado ou ler um livro, ouvir uma música… enfrentar a situação da maneira mais agradável (ou menos desagradavel) possível!
    Aprendi a me planejar e estar sempre preparada pra tudo – o ônibus pode atrasar, adiantar, quebrar… mil coisas podem acontecer! Então depender dele fez com que eu me planejasse melhor para não perder compromissos, ou então, dar um jeitinho quando o inesperado acontecia!
    e por fim:…
    Conheci lugares que não fariam parte do meu traçado habitual – como a rota que o busão faz nem sempre é a mais direta e objetiva ao meu destino, acabei conhecendo ruas, praças, avenidas,… (e com elas tudo o que nelas estiver presente, como lojas, bosques, barzinhos,…) muito interessantes!
    Por esse motivo, me tornei referencia no grupo de amigos, como um googlemaps ou um GPS da galera, qdo o assunto é buscar algo que foge ao habitual…

  71. Tem toda a razão. Já andei bastante de ônibus durante a faculdade (casa-faculdade-trabalho-faculdade-casa)… E depois, durante o mestrado, tive a oportunidade de conhecer outras cidades (Belo Horizonte, Lavras, São Paulo, Rio de Janeiro, Curitiba…) onde só me desloquei via busão ou metrô… E vou falar, não há melhor forma de conhecer o lugar onde se está! Conhecer os lugares, o povo, os costumes e os problemas. Andar de transporte público promove uma imersão em uma realidade da qual as pessoas que fazem uso do carro não conhecem (ou se esquecem…).

  72. Acho, que tu esqueceu de dizer que você acaba se tornando assíduo, pois você sabe que os ônibus demoram e muito. Ah, adorei o texto e me identifiquei pra caramba, já que pego ‘busão’ a uns 5 anos, só nunca bati muitos papos porque vivo de fone de ouvido.

  73. Muito boa sua visão sobre os aspectos do nosso cotidiano, a clareza e humor satírico, por sua Perspicácia. Aproveite seu dom e traga mais situações do nosso dia a dia para que possamos rir, e refletir sobre esses assuntos.
    Abraço!

  74. Pareço ter sorte com “causos” em ônibus, sempre tive grupos onde fazíamos amigo secreto de fim de ano, festas de aniversário, muita alegria e bagunça durante o percusso. Certa vez conheci uma senhora de 82 anos, chamada Isabel. Estava a caminho do Salvador Shopping – livraria Saraiva – (Salvador-Ba)
    Como estava saindo do dentista no Itaigara e o percurso seria curto sentei-me na frente, lugares reservados para idosos, foi a melhor escolha que pude fazer. Sentei e ela logo me recebeu com um sorriso e eu claro o retribuí. “Esse livro ensina fazer redação?” perguntou dona Isabel se referindo ao livro que eu estava na mão, o Manual de Redação da Publifolha. Respondi não necessariamente, e expliquei do que se tratava. Foi então que a senhora simples de aparência e grande simpatia me confessou “tenho inveja” me surpreendi com aquela afirmação, não demonstrei é claro! Comecei a lhe perguntar algumas coisas e dona Isabel me contou que sentia inveja por não saber tanto sobre. “Você faz jornalismo?” perguntou novamente e mais uma vez minha resposta foi negativa desta vez acompanhado do ainda. “Hoje em dia só não estuda quem não quer minha filha, estude, você vai ser muito feliz” me aconselhou. Falou brevemente de suas filhas e alguns problemas no joelho. Chegando próximo ao lugar onde a doce senhora desceria senti um aperto no peito e tomei coragem, não poderia perder o contato daquela pessoa tão simples e ao mesmo tempo tão rica. Disse que gostaria de manter o contato e ela me passou seu telefone. Em estado de êxtase sentei-me na Livraria e comecei a escrever, não apenas para você saber o que aconteceu comigo, mas para mostrar que ainda existe neste mundo tão conturbado pessoas lindas, pessoas que valorizam a educação. E hoje Dona Isabel, realmente… só não estuda quem não quer. Muito Obrigada pelo prazer de ter a conhecido.

  75. Penso que andar de ônibus é um pouco parecido com estar na escola. Quando se está andando de ônibus, todos preferiam não andar, mas quando deixa de andar, vem um certo saudosismo dos muitos fatos vividos nesse meio de transporte.

  76. Adorei o texto! Faz parte daquelas pequenas coisas que vão moldando o nosso carater e nossa compreensão do mundo. Hoje, pela crescimento da economia, temos grandes chances de viver em nosso próprio mundo, isso é confortável, mas nos faz esquecer de nossa responsabilidade diante do mundo, das pessoas. Sou religioso consagrado (vou ser padre) de uma congregação que trabalha com a educação.. é triste de ver quantos jovens se tornam completamente alienados do mundo, coisa que se resolve com uma semana de busão lotado ;) E eu mesmo devo me esforçar para utilizar esse meio… é no busão que a gente vê o povo, gente sonhando, jovens bugunçando, pensando na vida, preocupados com o vestibular, velhinhos de olhos tristes, ou de olhos carregados de histórias!

  77. eu trabalhei de office boy por 1 ano e meio ,andava de busao direto para varios lugares,o que o texto fala acontece mesmo!,o mais legal é quando vem os velhinhos falar da vida com voce hahahaha “nossa o meu neto o muiiito parecido com voce”, e tbm ter um papo sério sobre futebol ou politica como se a pessoa ao lado a conhecesse a vida toda e chega no ponto de chegada e um “prazer de te conhecer”e nunca mais ira ver o sujeito,enfim andar de onibus é um apredizado enorme :)

  78. Parabéns Fernanda, lindo texto, muito bem escrito, vc. esqueceu dos tombos quando o motorista dá aquela freiada. Kkkk.

  79. Excelente post, porém a frase “nunca confie em alguém que nunca tenha andado de ônibus” foi infeliz…ainda que seja uma força de expressão. ;)

  80. Interessantíssimo texto! Andar de ônibus aqui em Curitiba/PR tem sido um verdadeiro caos. Ônibus lotado em plena 14h, pessoas totalmente sem educação, tenho certeza absoluta que elas saem de casa pensando que o ônibus é só dela e não estão nem aí se tem fila pra entrar no dito cujo. Outra situação chata é quando você fica no ponto final esperando o próximo ônibus pra conseguir sentar e quando ele chega alguém pára do seu lado com aquele cheiro de quem não toma banho há dias, logo pela manhã. Muitas vezes optei por um caminho mais longo, por fazer várias conexões para evitar esse tipo de situação…

  81. Adorei o post!
    E acho que outro benefício trazido pelo uso de ônibus é a autonomia de se locomover pela cidade sem depender de caronas/ter carro e ter que aprender a “se virar” perguntando itinerários, procurando a parada certa e fazendo conexões para chegar até onde tu queres hehe

  82. Nossa passou um filme lendo essa matéria.kkkkkkkkkkkk Isso acontece todos os dias comigo. Além de aumentar seus números de amigos, pois tenho amigos hoje que surgiram de conversas no busão. Um detalhe: se o motorista ou o cobrador for gatinho e solteiro, ainda dar para paquerar com eles!!!!!! Amei a matéria.

  83. Excelente! Concordo com todos os pontos. E acrescento que, em alguns casos, andar de ônibus pode diminuir o estresse (em vez de se preocupar com o trânsito, eu posso ocupar a mente com uma música ou um livro) e fortalecer os músculos (quem nunca teve que aplicar toda a sua força pra não cair em uma curva? Eu já!)

  84. Manassés presente em todos os lugares…
    Tenho tantos kits deles, que já pensei em sair vendendo no ônibus também…

  85. Parabéns! Eu já tinha chegado a uma conclusão similar, mas nunca tinha pensado nisso tão a fundo. E realmente, que está de carro é sempre mais egoísta: não dá passagem aos outros, não espera o pedestre atravessar, gosta de assustar quem está atravessando com buzinadas e acelerando o motor… E tem também o senso de desperdício: boa parte das pessoas se habitua a usar o carro até pra ir à padaria da esquina. Quem usa ônibus aprende também a otimizar o tempo, tentando aproveitar o tempo de espera e de viagem.

  86. Fernanda, genial o texto! Eu tenho 42 anos, moro em Recife.
    Usei muito onibus na década de 80, quando fazia o 2º grau. Era ótimo, morava em Setúbal e estudava em B Viagem, podia pegar qualquer um, mas usava mais o CDU/ Boa viagem. Sempre tinha um carinha lindinho, indo pra escola tb.
    Hoje quase não utilizo mais esse meio de transporte, vamos combinar: nossa cidade é muito mal servida de transportes público, o que é uma pena.
    MAS UMA COISA QUE REALMENTE APRENDI E USO ISSO NA MINHA VIDA DE MOTORISTA É NÃO PASSAR SOBRE POÇAS DE ÁGUA MOLHANDO QUEM ESTÁ NAS CALÇADAS!

  87. Primeiro, parabéns pelo texto.
    Segundo, minha sugestão: tem gente que tem nojo de andar de ônibus no Brasil, mas quando vai pra Europa, usa transporte público o tempo inteiro. Não é assim tão diferente. Mas o que se pode notar nessa prática “elitista” é que não há melhor maneira de se conhecer uma cidade do que pelo seu transporte público.
    É ali que você tem contato com pessoas de verdade, com seu cotidiano, com o que elas realmente vestem, comem, que problemas resolvem por ali e até se são felizes ou não.
    Pra mim, que não anda de ônibus não tem a mínima noção da vida real. Porque a vida está na rua, não na sua bolha. ;o)

  88. Ônibus ensina a ser corajoso. Quem nunca achou que fosse morrer numa daquelas curvas, lombadas, ou sei lá! Andar de ônibus = andar de montanha russa sem cinto de segurança.

  89. Eu adoro pegar busão aleatoriamente e conhecer bairros, ruas, enfim lugares nos quais
    eu nunca estive. Faço isso sempre e adoooooro!

  90. Sem contar as pessoas que a gente conhece nos ônibus. Não só conversar naquele momento, mas acabar pegando amizade mesmo. Conheço um amigo que namora até hoje com uma garota que conheceu no ônibus (e faz tempo que se conheceram); eu mesmo estou hoje na Faculdade de Direito pelo incentivo de uma pessoa que encontrei no busão e hoje estudo na mesma Faculdade que ela. E alguns outras amizades que fiz e ainda mantenho contato. Tudo isso pura verdade! Parabéns! =)

  91. Uma vez, indo pra faculdade, entrei no unico onibus da minha região que passava na minha faculdade. Ele demorava 1h40min. pra chegar. Mal entrei, consegui um lugar pra sentar, em seguida, uma senhora de 60 anos senta ao meu lado e puxa a conversa. – Nossa!! quase fui assaltada, mas eu bati no ladrão e ele soltou a minha bolsa.
    Minhas unicas palavras de uma conversa que durou + ou – 1h30min.
    -Meu Deus, que coisa horrivel!
    Então ela começou a falar da infancia dela, namoro, casamento, filhos. Detalhe, falou da vida e casamento dos 3 filhos. Falou do seu trabalho, depois nem sei como ela mudou a história para coisas de filme de terror.. Gente, parecia que eu estava viajando a 6 horas naquele onibus, e minhas unicas palavras eram.. -Sério!Nossa! que medo! que legal! Que bom!! Quando eu ja estava chegando perto da faculdade entrou uma outra senhora, dai eu dei meu lugar pra ela, pensando… graças a Deus, agora ela vai parar de falar..
    Não que eu não goste de conversar, mas é que ouvir durante horas umas pessoa que não te dá oportunidade de falar tambem, é complicado!
    Imagina, ela continuou a falar mais ainda comigo. Quando de repente toca meu celular, ela pergunta quem é? Eu nem acreditei! rsrs. Atendi ao telefone, era uma amiga, dizendo que nao haveria aula. Eu não quiz acreditar e repeti: -Não haverá aula?! A senhora no mesmo instante, falou: -Então continue aqui ate chegarmos no outro terminal, lá vc não pagará outra passagem e vc continua a conversar comigo! Nada é por acaso minha filha, vc veio hoje porque tinha que me conhecer.
    Final da historia, passei mais 40min ouvindo essa senhora até chegar no proximo terminal. Contei aos meu amigos, eles riam muito… e por sinal um deles, me passou esse Post pois ele lembrou desse episódio. Eu achei maravilhoso esse post, e vc Fernanda, está de parabens! bjos

  92. Nossa, Fê, texto sensacional. Como eu queria tê-lo escrito. Ha. Você conseguiu canalizar e catalogar brilhantemente todas as sensações e exercícios de socialização que nos proporcionam o ato de andar de ônibus; tanto os aspectos negativos quanto os positivos (que com o estresse do dia-a-dia acabamos recalcando), os arquétipos bizarros de gente que temos que lidar diariamente, e ha -amei os exemplos de situações que você citou, que de fato ocorrem conosco no cotidiano. É super bem isso, mesmo. haha

  93. Gostei do texto.

    Também já tive minha fase busão, tenho muitas experiencias engraçadas graças a esse miserável transporte coletivo.

    Eu costumava fazer amizades com os cobradores e motoristas, eles sempre tinham boas historias para contar, e todo motorista que eu conheci era um “pegador” nato.

  94. “Quem nunca entrou bêbado no onibus depois de um happy hour, dormiu e foi acordado pelo cobrador no final da linha?”

  95. Eu aprendi muito andando desde pequena, quando saí do hospital minha mãe já veio pra casa comigo no busão!!!!
    Eu andava (e ainda ando) tanto que dava tempo de fazer a lição de casa inteira no ônibus!!! Já perdi meu passe quando já estava na catraca (isso quando era passe de papel e eu era pequena) passei por baixo da catraca, quando sentei achei o bendito passe em um bolsa da mochila. Já cai no colo de um homem, desmaiei por causa do calor porque ninguém abre aquela digníssima janela. Já deu o lugar para os mais velhos, já confundi um gordinha com uma gestante, meu fichário já caiu e saiu todas as folhas e confundi o ônibus pela cor. Já briguei com um cara que ficava se esfregando e vomitei em outro porque não abria a janela. Quando fui pro Rio de Janeiro, queria para a Base Áerea do Galeão e me mandaram pegar um busão e parei no Morro do Alemão. Já andei no motor, pq estava muito cheio e junto com meu irmão já fomos a atração do busão cantando música na época de creche.
    Atualmente tenho carro mas sempre ando de ônibus, pq tenho tempo pra ler, pensar na vida, digitar o tcc no bloco de notas do celular, interagir com os amigos, escutar música…. Pena que não temos muitas condições adequadas, para o fato de está no busão se algo mais prazeiroso…

  96. Um dia que eu estava inspirada descrevi minha espera de uma forma mais romanesca.

    Teus desejos

    E você o espera todos os dias no local combinado, você sempre anciosa pois não sabe se ele realmente virá ou se lhe dará alguma atenção.

    Outro dia ele passaste e nem notaste a tua presença, mas hoje será diferente.

    Ele aponta no final da rua e vem se aproximando, começam os borburilhos entre as outras que também o esperam passar.

    Ele vem gracioso, anda lentamente,
    como se o tempo estevesse
    preste a parar.

    No meio de outras tantas, pára na sua frente, e lhe convida a seguir o seu dia com ele.

    Você o avisa que não pode demorar,
    Mas o tempo em que estão junto parece não andar,
    você queria fugir daquele lugar,
    mas muitas outras ficam te invejando, pois com você ele está.

    Você se depara com muitas outras
    que com ele também já está,
    e o que parecia um mar de rosas começa azedar.
    As outras te observam e te reprimem por que tu aceitas estas condições?

    Você não se deixar abater, segue em frente, te empurram, te pisam,
    e tú és envolvida naquela emoção onde seus corpos se encostam, se unem.
    As ondas de calor e os calafrios te dominam, e os minutos não passam…

    Chega uma hora que tu não aguentas mais lutar contra as outras,
    e permanesses onde estás, imóvel, só rezando para que comeces
    a se movimentar mais rápido.

    Duas horas depois ele te deixas no local combinado,
    tu estas cansada porém feliz pois realizastes seus desejos.

    E o que é que tu desejas?

    Desejas que o busão pare no ponto,
    que consigas adentrar nele,
    e que não tenhas tanto trânsito,
    porque tu sempre estarás de pé!!!
    :) JL

  97. Adorei o texto, parabéns! E é bem verdade que tudo isso sempre acontece, desde o motorista passando direto, até as situações cômicas. Até porque, quem nunca derrubou os livros, ficou presa na catraca por causa da big bolsa, deixou o dinheiro da passagem cair, ou caiu sentada no colo de um estranho na hora de um freio? Além, claro, de se abaixar pra apanhar os livros e perceber que tá com a bunda na cara de alguém.. ahahah (eu já!)

  98. Li tudinho. Muito divertido e verdadeiro. Ônibus é mesmo uma escola de vida sobre rodas. Mas ultimamente tenho preferido mesmo é andar à pé. rs

  99. Já havia, um tempo atrás, parado pra filosofar um pouco soubre a importancia do “busão” no caráter das pessoas. E resumidamente o que se tira de mais importante é a HUMILDADE! Algo tão valioso, mas tão raro hoje em dia, que só a covivência com as dificuldades que o ônibus nos proporciona pode nos fazer lembrar que todos somos seres humanos e ninguém é melhor que ninguém. Fica a dica pra quem esqueceu os valores da educação e está (na maioria das vezes, de forma involuntária) se sentindo melhor que os outros: PEGUE UM ÔNIBUS HOJE! É O MELHOR REMÉDIO PARA O CARÁTER! Vai ser um grande favor para você e para todos ao seu redor!

  100. Acho andar de ônibus uma oportunidade de fazer novas amizades. O texto é ótimo …….. parabéns

  101. Hoje (no onibus) refletindo na minha “janela da alma” pensei :
    – Preciso escrever algo sobre as perolas e ensinamentos que acontecem no onibus.
    Ai chego em casa e me deparo com uma indicação para esse seu texto no meu face… sincronia e pensamentos no transporte público, realmente são coisas espetaculares.
    Parabéns , adorei o texto e a reflexão!
    Ana Paula

  102. Como eu não tenho habilitação, dependo de ônibus quando não tenho ninguém para me levar em determinados lugares, o problema do ônibus é que ele faz muitas paradas e isso acaba demorando demais! Mas eu gostei desse texto e acho que faz muito sentido!

  103. Gente, isso é mais um post do livro Acupuntura Urbana, do arquiteto e urbanista Jaime Lerner? Tô lendo ele e consiste em vários ‘posts’ como esse de como pequenos olhares e mudanças na cidade podem fazê-la ficar mais bonita e atraente. Confiram! Unindo essa ‘acupuntura’ da Fernanda com o que fala o arquiteto, me veio à mente uma senhora cega que toca flauta. Quem anda de ônibus aqui em Fortaleza deve já tê-la visto, com certeza!! Pelas minhas andanças já a vi em tantas linhas. E quantas pessoas realmente com ela já não exercitaram o seu lado solidário ajudando-a a pegar o ônibus que ela quer, a descer, a atravessar a rua… Andar de ônibus realmente nos faz pôr em prática essas gentilezas que, no mundinho da gente, muitas vezes não sabemos como, muito menos que somos capazes disso. Até conversar com as pessoas, perceber a noção de igualdade… Quantas vezes nos sentimos ‘tanta coisa’ e, quando andamos de ônibus, nos deparamos na mesma situação da ‘doida da Borges de Melo’, uma moreninha que sai esculhambando o vento, pega o Borges de Melo, briga com o trocador e pede pro motorista abrir a porta de trás pra ela descer, SEMPRE. A situação só não é mais cômica por se saber do seu problema de saúde mental. Falando nela, quem não lembra de outra que morava em uma parada de ônibus na 13 de maio? Uma vez esperando o ônibus descobri que ela era professora, casada e foi traída pelo marido. Ela com isso ficou perturbada, talvez internaram no Myra e Lopes e fugiu. Ela ficava furiosa quando tinha gente na parada. Era como se estivéssemos invadindo a casa dela… Quantas histórias, Fernanda… Se eu fosse parar pra contar… Daria um blog! Adorei seus pontos de vista. São os meus desde sempre. Talvez, quem sabe, se mais pessoas enxergassem assim, nossa cidade não teria tanta gente solitária e aborrecida dentro de um veículo, contribuindo para o caos dos engarrafamentos. :)

  104. Curti o texto! Venho aprimorando o meu caráter há 7 anos e concordo com tudo o que foi dito! E pra acrescentar, acho que andar de busão também ajuda a manter a sobrevivência da “fauna brasileira”… não sei quanto a vocês, mas eu já ajudei muito inseto a sair pela janela!

  105. Mostrei pra minha mãe o texto e o contexto. Ela disse que era mais magra quando andava de ônibus, ela andava mais, corria mais… Foi assim que ela aprendeu a conhecer a cidade e seus recantos… Andar de ônibus faz as pessoas ter noção de cidade, de cidadania também.

  106. Texto muito bom.
    Li todos os comentários e … cara fala sério, muita história legal e real. Mas também existem aqueles ”raros” casos das histórias de amor que começam no busão.
    *-* Também é no busão que nossa imaginação vai ao longe, os fantásticos, e se … ?
    A minha experiência com o transporte coletivo é um pouco cômica. Tenho 21 anos e sou muito ”baixinha” (1.45), quando comecei a andar de ônibus claro que minha maios dificuldade era a de ‘dar o sinal ‘ que iria descer. Uma vez com muita vergonha de pedir que alguém ‘puxasse a cordinha” pra mim desci 4 paradas depois da minha esperando alguém descer para que eu descer junto cheguei atrasada na escola aquele dia e a profª não acreditou na minha desculpa, ela disse que eu deveria apertar ”o botãozinho” mas eu disse pra ela que aquilo não funciona ( Caraca sério mesmo são raros os que funcionam), mas por fim desisti. Depois de muito tempo tentando sentar no famoso banco alto, decidi fazer amizade com os cobradores daquele horário, foi a única solução que vi. Assim, até hoje alguns já sabem, quando levanto já vão logo avisando o motorista : – Vaai descer”.

    – Ps.: Aproveito a oportunidade para agradecer a boa vontade dos cobradores de busão.

  107. ótimo texto!

    a parte que mais me identifiquei foi: “por favor” (a Deus, para que seu ônibus não demore tanto – todo dia peço isso a Ele)” – tbm faço isso, kkkk

  108. Conheci hoje seu blog e gostei muito do artigo. Realmente o ônibus é um laboratório social incomparável. Dá pra conhecer qualquer tipo de pessoa num ônibus e entender um pouco como esse país maluco funciona.

  109. O post é um pouco radical, pois existem outras formas de cidadania, de lapidar um caráter e até mesmo exercer sua condição de “ser social”, que vão além e não passam exclusivamente pelo fato de andar de ônibus; ele mesmo, por alguns pontos e na própria visão, precisa se reavaliar, principalmente quando fala no item 3 VC TOCA EM PESSOAS QUE JAMAIS TOCARIA e VC É OBRIGADO A LHE DAR COM GENTE DIFERENTE (que coisa extremista), devendo ele lembrar que também será tocado e que também é diferente.
    Sem falar no ESTUDANTE DO ENSINO MÉDIO DO CABELO ESQUISITO como se usar o tal cabelo estivesse inerente ao grau escolar da pessoa, configurando muito mais uma repulsa particular e que ele pensa ou se acha ser superior.
    Quanto ao item 6, que ele trata da educação, se fosse verdade, só teríamos príncipes e rainhas usando os transportes coletivos, pois tal prática não é garantia; a realidade prova isso.
    O autor certamente precisa exercer MUITO MAIS e não por apenas um ano, sua condição de ser comunitário, seja usando ônibus ou outros serviços coletivos, contudo o alerta foi válido!

  110. Sensacional, Fernanda Paiva. Sou de Salvador-BA e percebo que é uma realidade muito parecida no Brasil inteiro. O uso de busão é realmente uma experiência de vida. Acrescentaria que aqui na falaciosa “terra da alegria”, além dos DJs de busu, balaios de feira (compras), é possível encontrar também pranchas de surf, as incômodas muchilas dos estudantes e as bolsas das mulheres e até cabeceira de cama (sim, eu já peguei um coletivo no qual um cidadão pediu pro motô – como são chamados os motoristas de busu – e ele permitiu que o cara colocasse o objeto de madeira no interior do ônibus). Outra particularidade aqui em Salvador é que querendo ou não se aprende rapidamente a letra e os ritmos das músicas baianas que tanto “encantam o mundo”.

  111. a questão da educação é crucial.
    quando era criança lembro-me bem de minha mãe dizer: se estiver sentado e entrar no ônibus: velhinho,mulher grávida ,mãe com bebe no colo e “deficiente” ,é pra se levantar e dar o lugar a eles viu, também pedir pra levar cadernos,bolsas e sacolas das pessoas. E assim crescemos, e no meu tempo de criança não tinha as placas de identificação que tem hoje: lugar reservado para idosos,gestantes….. o que vemos muitas vezes é um desrespeito a essas pessoas e sem falar nos DJ’s de ônibus(é cada estilo musical….). Enfim, um dia dessa semana que voltava pra casa no “meu” ônibus e olhava pela janela, comecei a lembrar dessas coisas a observar o comportamento das pessoas , muitos colocam seus fones de ouvido e parecem que desligam do mundo, outros ficam inertes aquela pessoa que esta quase caindo por cima delas com tantas sacolas ou cadernos…….. Ah, como os tempos mudaram! Mas andar de ônibus é melhor do que divã, ou deveria ser assim pra muitos……

  112. Andar de ônibus onde o transporte público é bom é uma experiência maravilhosa. Não tem jeito melhor de se locomover em Londres e Paris, por exemplo.

  113. Andei muito de ônibus no Rio , andei muito de ônibus em Brasília. Disparado, as melhores histórias de busu são da minha época carioca. Andei de trem também, o que a título de formação de caráter, dá no mesmo. Eu gostava de imaginar quem eram as inúmeras pessoas que sofriam aquele momento comigo: se eu ia pro lugar x, elas estariam indo para onde? De onde viriam? Ficava imaginando. quando via, já estava chegando em casa. Fernanda, muito bom esse post. Dei pala nos comentários. Dentre muitísimas histórias, lembro de uma colega de colégio que tinha vários alfinetes na bolsa e quando ela percebia que algum cara queria encostar nela “de um jeito estranho”, ela colocava o alfinete virado no bolso de trás da calça e empinava a bunda. Outra vez, um cara baixou as calças para ela e ela chamou a atenção de todo mundo do trem para o pinto branquela do cara..hahaha Alô Isabela!!!!! Hoje e há muito ando no meu próprio carro… essa postagem me deu uma nostalgia e a certeza que o meu filho de 15 anos ainda é muito bobinho porque não utiliza esse meio de formação de caráter diariamente.

  114. Amo dar cochilos no busão!! Desco renovada para enfrentar o trabalho ou relaxada depois de um dia inteiro trabalhando.
    Ahhhh e os casais que ficam trocando beijinhos e você na maior carência, isso nenhum solteiro merece!! Acontece sempre no ônibus.

  115. Há alguns anos atrás,pouquiiiinhos anos ,os ônibus tinham um cordão no alto para vc puxar dando sinal que ia descer, o som parecia do fone tocando… Agora imagina aí, vc vinha da faculdade cansada depois de um dia inteiro de aula e tudo q vc queria era um lugar sentada no ônibus pra dar uma cochilada e qdo vc tava no melhor do sono alguém puxava o sinal e sabe o que acontecia? Vc acordava e dizia ALÔ? Kkkkkkk comigo já aconteceu e com você? E a vergonha? Kkkkkk

  116. Concordo com seu texto… Ando de ônibus desde sempre. Tem dias que pego, pelo menos, uns 6 e sei o quanto a paciência e a gentileza são testadas diariamente…
    Paciência com o motorista que arranca antes de você terminar de descer, que fecha a porta antes de você entrar completamente, com o cobrador que demora 5 horas pra liberar a roleta para você passar, com o moleque com o celular xingling tocando um funk proibidão às 7 da manhã (sou do RJ, então imagina…)!
    Por vezes me irrito com todos esses contratempos, mas admito que gosto de usar transportes coletivos. Você sempre conversa, se distrai, ouve e vê – às vezes vive! – situações incríveis, pode deixar a mente voar sem causar um mega acidente e praticar aqueles hobbies que nunca dá tempo, como ler e fofocar com sua bff no telefone…
    Não dirijo por opção e sou muito mais feliz assim.

  117. Vc esqueceu de mencionar que a gente aprende a ter equilíbrio (nos momentos de alta velocidade do busão) e a ser esperto tbm. eu já tenho minhas tecnicas pra pegar um cantinho no ônibus e ir sentada. hahaha

  118. Gente!!! Por que um bom desenhista de comics não faz tirinhas com “cenas inusitadas do dia a dia no ônibus” igual ao PhD Comics? Ia ser bom ver se identificar e rir muito!

  119. Viajei no seu texto, Fernanda. O nosso injustamente mal afamado ônibus é uma extensão de nossas vidas. Muito se aprende (e se ensina) dentro e fora dele. Parabéns.

  120. DORMIR! nao tem lugar melhor para descansar do dia de trabalho! Sento, Durmo, Perco ponto e volto andando depois para casa… Jah aconteceu tanto comigo…

  121. Nossa, o povo precisar frequentar o onibus pra aprender a ser uma pessoa melhor?

    Aprendi no onibus que as pessoas (pasmem, principalmente as de baixa renda!!) nao pedem licenca , nem por favor, nem obrigado e te empurram e te encoxam quando lhes der vontade. Nao existe prazer maior do que praticar a sudorese coletiva.
    Todos nos devemos ser pacientes, mas aprendi com o motorista (contra-exemplo) que ser pontual significa respeitar as pessoas.
    Aprendi que o povo eh tao egoista a ponto de a lei do “cada um por si” se aplicar em casos extremos como jovens fingirem cochilos pra nao fornecer assento aos idosos/gestantes/maes com bebe no colo e por assim vai.
    O povo do busao respeita tanto as diferencas que discriminam/olham torto/sentam em cadeiras mais longes (quando possivel) ao primeiro sinal de um obeso, pessoa com espinhas, “cabelo esquisito”, transsexual, albino, usuario de roupa incomum, barbudos, mulheres sem cabelo (pqp!), etc etc etc
    Se essas janelas sao tao poderosas porque raios as pessoas continuam a ser tao rudes, intolerantes e burras a ponto de continuar com uma vida infeliz (todo mundo reclama da vida profissional e do governo mas quase ninguem tem capacidade de mudar qualquer situacao).

  122. Lembrando que a espera de ônibus no ponto também é momento de reflexões.
    E isso me lembra esse curta sensacional:

    “O Paradoxo da Espera do Ônibus”

  123. Nossa Sinhora!Adorei demais e ri a beça com este texto!É exatamente assim mesmo!Show de bola o texto, o modo que vc escreve e comenta as coisas!Parabéns!:)

  124. Vc descreveu tudo,passo por cada situação no “buzú”,aqui em salvador, todos os dias, indo e voltando do trabalho…reflexões,sentimento de medo, raiva….são tantas emoções vividas no “buzú”.
    Parabéns! :)

  125. mas é exatamente assim. A gente tb passa a apreciar mais as coisas. Não interessa se vc tem condicao ou nao de ter um camaro amarelo, ou qlqr outro carro do mundo. Se vc anda de ônibus vc enfrenta os mesmos prob q todo mundo… e vc fica mais humano tb.

    Além disso, tem um tempinho p ler seu livro preferido, enqto fica preso no transito. :)

  126. Se você vir a Belém e for andar de “busão”, encontrará, além dos ônibus mais escrotos, os mais despreparados e mais mal educados motoristas de ônibus DO MUNDO.

  127. Parabéns pelo belíssimo texto. Você falou tudo e não precisou escrever muito, acho impressionante textos assim! Seu jeito de escrever é muito bom, é interativo, parece que você esta pessoalmente falando o texto pra gente.

  128. Também é engraçado quando vc sempre pega o busão no mesmo horário e se bate com as mesmas pessoas, se duvidar arruma até paquera uhauhahuahuauauhauuha

  129. Karaca, muito bem escrito e elaborado seu texto Fernanda Paiva!!! Qualquer pessoa que pega ônibus compartilha de 99.99% da coisas que se aprende e experimenta em um ônibus como educação (ser cordial), ser gente boa NA MARRA!! (kkkk), tempo e espaço ideal para meditação e reflexões profundas (Logo, ficando mais inteligente! Rá!). Dentre as coisas que se experencia é a noção do tempo auto-regulada pelo “SEU” ônibus, obnubilada ante a espera pelo ônibus PREDESTINADO a você, o SEU BUSÃO! e TODAS AS: situações exóticas, engraçadas e inusitadas em ônibus. Quem nunca pegou o ônibus errado e foi parar em uma boca de fumo? (eu já TAMBÉM!TENSO!Final no Taquaril, visuali-za..). Sentar ao lado de uma senhora que foi com sua cara e resolveu te aconselhar com muita sabedoria!!! (FREQUENTEMENTE! E isso é só por que ela foi com a sua cara..(elas sempre querem deixar isso bem claro!) imagina se não fosse né?!??

    Parabéns, irei acompanhar seus próximos posts! Isso se eu não perder né? Por que senão depois só daqui a 45 minutos…

  130. Karaca, muito bem escrito e elaborado seu texto Fernanda Paiva!!! Qualquer pessoa que pega ônibus compartilha de 99.99% da coisas que se aprende e experimenta em um ônibus como educação (ser cordial), ser gente boa NA MARRA!! (kkkk), tempo e espaço ideal para meditação e reflexões profundas (Logo, ficando mais inteligente! Rá!). Dentre as coisas que se experencia é a noção do tempo auto-regulada pelo “SEU” ônibus, obnubilada ante a espera pelo ônibus PREDESTINADO a você, o SEU BUSÃO! e TODAS AS: situações exóticas, engraçadas e inusitadas em ônibus. Quem nunca pegou o ônibus errado e foi parar em uma boca de fumo? (eu já TAMBÉM!TENSO!Final no Taquaril, visuali-za..). Sentar ao lado de uma senhora que foi com sua cara e resolveu te aconselhar com muita sabedoria!!! (FREQUENTEMENTE! E isso é só por que ela foi com a sua cara..(elas sempre querem deixar isso bem claro!) imagina se não fosse né?!??

  131. Um dia, eu e minha irmã sentamos juntas no ônibus e começamos a observar que o malvado do motorista nunca parava na parada …sempre parava mais adiante e que por causa disso as pessoas tinham que correr pra alcançar o ônibus antes q ele ” fugisse” e o mais interessante é que as pessoas SEMPRE entravam com um sorriso no rosto POR TER CONSEGUIDO !
    Estavamos achando muito engraçado a cara de felicidade das pessoas ao entrar no ônibus …era mto hilário . Até que entrou um homem com aparentemente uns 40 anos com um sorriso de orelha a orelha ..afinal teve q correr muito. Ele parou do nosso lado em pé e nós estavamos rindo tanto que o homem perguntou ” algum problema?” ai pronto ne… Rachamos o bico de tanto rir… e tentando controlar pq o homem parecia incomodado .. Se vc ja segurou o riso deve imaginar o sufoco q foi .. e toda hora estourava uma risadinha … ate q ele sentou e a gente conseguiu se acalmar …mas nunca vamos esquecer este dia

  132. .
    MUITO BOM mesmo.
    No Rio, pego o Onibus 457 em frente ao CEFET RJ.
    Melhor. Tento pegar.
    Quando faco sinal para o motorista, ele, sem disfarcar muito, olha para o outro lado, no retrovisor, como que tentando ver algum carro a sua esquerda.
    Me deixa “apontando para o nada…”.
    .

  133. Pois é, até hoje sonho que estou num onibus. Aquele do Rapido Araguaia, la’ em Goiania, seu cabra. Passei dos meus 10 anos de idade até aos 42 no busao. (Descupe, meu teclado nao tem acentos). Hoje moro meio que na zona rural da provincia de Brescia, nos cafundòs de Remedello com Mantova. E como sonho ainda que “andando” de onibus. Do primeiro grau a faculdade pertinho de casa (precisamente a 32km). Eu agora estou por aqui, tirei minha carteira de motorista, levo minha filha a escola, dirijo tudo aquilo que nao dirigi dirante a minha vida. Com o onibus eu tinha mais autonomia, eu ia para onde queria. Aqui por estas bandas deste hemisferio nem transporte publico regular nao tem. Deixa de funcionar as 6 da tarde e quando chega os finais de semana e o verao, nem sombra de onibus coletivo. Sinto saudades do tempo que “pegava o busao” – era assim que agente dizia. Preciso tambem do Aureliao porque me esqueci se busao é com “s” ou com “z”.

  134. Só faltou falar, de como nosso “ego” é inflamado pelas insinuações sexuais, quase atentado ao pudor com tanto “esfrega, esfrega”!!! kkkkkkkkkkk

    Parabéns pelo texto!!! Show de bola.

  135. morei em manaus e lá além do calor quase insuportavel, há tambem o vendedor de bala de mangarataia e trufas, no onibus superlotado 610, ah e tem mais lá o motorista não abre a porta do meio, so no terminal de integração.
    ou quando alguem passa mal.
    hoje moro em são luis e aqui tem manassés e o mesmo jeito, lotado e demora demais….

  136. Que texto lixo fiota!

    Quando tiver competência financeira para poder ter um carro aí você fala alguma coisa…

    Quem anda de bus é lixo!

  137. Andei 9 meses de ônibus na vida e concordo plenamente com o texto, todos deveriam passar por isso! A da boca de fumo também já aconteceu comigo.

  138. Reflexão fantástica! É exatamente isso que acontece… mas tem coisas que eu ainda estou aprendendo, rs

  139. Sinceramente é patetica essa teorica equivocada. Não é preciso fazer uso de condução(ônibus)coletiva para ter bons modos,ter melhor educação, aliviar e mente ou Problemas do cotidiano. Eu nunca andei de ônibus e tenho pena de todos vocês que por algum tipo de necessidade tem que sofre esta humilhação, “pegar” esse tipo de condução é coisa de pobre, que busca a felicidade em coisas futeis e banais e que não disfrutam das verdadeira belezas de vida..

    Ônibus jamais…..

    1. Só a distinção que você fez ao dizer que pegar ônibus é coisa de pobre já me faz imaginar de uma maneira maldosa qual são os seus bons modos… O que o autor do texto quis dizer é que o ônibus, por ser um espaço em que todas as pessoas são obrigadas a serem iguais, proporciona experiências e aprendizado. Ele não está dizendo que é melhor do que andar de carro, está apenas ressaltando as lições que podemos aprender com o transporte público. Permita-se a abandonar seu transporte individual e aventurar-se num ônibus, um dia.Permita-se ser IGUAL, porque é o que todos os passageiros são no ônibus. Mas faça isso de mente aberta, sem pré julgamentos. Você vai ver que, por menos prazerosa que a experiência seja, alguma reflexão ela vai trazer para a sua vida.

  140. Sinceramente, uma das piores coisas que já vi escritas na minha vida. Não conheço uma pessoa sequer que após comprar seu carro sinta saudades de voltar a andar de ônibus. Não sei de onde você é, mas no Rio, onde eu moro o ônibus não tem pessoas que aprendem educação. Ele simplesmente é cheio pelo fato de não termos um sistema de transportes públicos que privilegie o transporte de massas.
    E, sendo mais sincero ainda, não é necessário andar em condições sub-humanas para ser civilizado. É necessário que as pessoas tenham educação mesmo, tanto aquela que se aprende em casa quanto aquela ensinada na escola.

    1. Esse cara é problemático!Prezado, seu carro tem que ser um ônibus para caber vc e sua ignorancia!!

    2. Roberto Aragão,
      Vc é um cara problemático!Prezado, seu carro tem que ser um ônibus para caber vc e sua ignorancia!!

  141. Muito bom!
    Sou praticamente um profissional no que diz respeito a andar de ônibus. Concordo contigo em tudo que escreveu, porém acho que faltou uma coisa que provavelmente todos que andam muito de bus querem, todos querem um dia não depender do coletivo e ter um carro…kkkk

  142. Fernanda, amei o post e com toda certeza sei do que estas falando, andei muitos anos de buzu e tive experiências demais. Concordo contigo quando disestes que realmente mudamos nossa forma de pensar, pois hoje quando passo no meu carro e olho para as paradas de ônibus, lembro como eu ficava orando para passar alguém conhecido de carro e me dar uma carona, por isso hoje olho e dou carona com muita alegria, pois lembro como eu ficava feliz quando alguém me dava carona. Lendo este post mais uma vez vi como Deus e bom e muda as situações de nossa vida, eu nao andava de ônibus por opção e sim por necessidade e hoje posso escolher com que carro vou sair. Obrigada Deus por Teu amor. Bjs Fe.

  143. Muito bom o texto.
    Eu achava q em SP era mto ruim andar de ônibus, mas me surpreendi agora que moro em Fortaleza, aqui vc vira santo, pois o q tem tem gente folgada nos terminais furando fila na cara larga, e qdo vc entra as pessoas te dão cotoveladas, pisam no teu pé, te empurram, e nem licença e nem desculpa pedem…É um verdadeiro teste para a paciência, pois se vc reclama acham q vc é o errado…rsrs

  144. “2)” Só denunciar, simples. Faço isso e eles aprendem a parar pra mim.

    “4)” Só cedo se estiver sentado no banco especial, assim como vou querer quando estiver velho.

    Todo o resto eu concordo. Uma vez peguei o ônibus no sentido errado e fui parar num lugar da cidade que até hoje não sei onde fica!

  145. Muito bom o texto! Concordo com o aprendizado! Situações engraçadas acontecem sim! Como aquela vez, indo para a universidade, ônibus lotado, motorista ‘afobado’ e chega a primeira parada do Campus. Meu vizinho não titubeou, olhou para a porta, viu a impossibilidade de descer e… passou pela janela! Ainda bem que era magrinho e ‘jeitoso’. Outro vez, cheia de material de arquitetura no braço ainda se usava réguas imensas, o motorista faz aquela curva sem diminuir a marcha e vc cai no colo do cara ao lado!

  146. Achei muito legal esse texto. Realmente resume a experiência de andar de ônibus.

    Em relação à educação, o obrigado eu aprendi mais dizendo pro motorista quando eu subo no ônibus (depois de ter corrido uma prova dos 100 metros rasos e ele não ter arrancado do ponto, como alguns fazem), do que ao descer. :P

  147. Fantástico o texto! Concordo em numero, genero e grau! E devo confessar… Lido com um pequeno preconceito com pessoas que nunca tiveram de passar por essa experiencia… Qualquer falta de educação que vejo por parte da mesma já penso: “é falta de transporte publico na vida viu!”

    Onibus educa!

    Parabens pelo texto ;)

  148. Tenho pouco tempo de pegação de ônibus, mas o pouco que tenho já me serviu para analisar e rever muitos conceitos. Concordo em gênero, número e grau com o que você falou. Tem vezes que reclamo de tudo: da espera, do lotamento, do calor, das músicas que nem sempre são as que a gente espera, de quando não tem botão, só a cordinha de puxar que é muito alta pra mim (alô, acessibilidade?), enfim… Mas no dia em que meu pai disse: “Tô começando a pensar se não seria melhor comprar um carro pra você no futuro, nem que seja usado. É melhor do que pegar ônibus”, eu gritei, com todas as forças: “Naaaaaaaaaaaaaaaaaaão!” Mesmo sendo chato pra caramba algumas vezes, eu adoro andar de ônibus! No ônibus conheço gente nova, conheço histórias novas, penso na vida e aprendo a viver. E aprendo a me movimentar melhor na cidade, conheço os lugares, me sinto mais independente, ao mesmo tempo em que estou presa a horários e ao humor do motorista. Odeio e amo ficar pendurada na porta, me espremer entre as pessoas pra poder passar, pedir ao moço mais alto pra puxar a cordinha, ser arremessada pro lado numa curva fechada… Não sei porquê, mas gosto, ao mesmo tempo em que detesto! Acho que é a diversidade das pessoas que torna o ônibus tão interessante. É uma experiência que merece ser vivida… Enquanto eu levar essa vida de capital, não abro mão de pegar ônibus (:

  149. Sempre defendo muito isso! Andar de ônibus muda a vida de qualquer um. Já virei sardinha na lata, de tão lotado o ônibus e só cabia mais um, já conhcei muitas pessoas, reencontro várias, já aprendi muito ( sim, o ônibus é um lugar ideal para se aprender qualquer coisa – outra vez, lendo um livro, perguntei a uma senhora o que seria tal palavra que desconhecia, ela me explicou dando exemplos e tudo mais).
    Com certeza, andar de ônibus faz o homem humanizar-se. Hoje tenho carro, mas não deixo muito tempo sem andar de ônibus e sentir a vida plenamente!
    Amei o blog. Vou passar a visitá-lo. Está nos meus planos futuros construir um para compartilhar, assim como você, meus pensamentos e ideias! Valeu, Fernanda!

  150. Acho que andar de ônibus é também uma “imersão sócio-cultural”: você fica conhecendo, pela conversa de quem fala alto no celular, os principais problemas com os quais estão convivendo pessoas de diferentes classes. As vezes, você também é obrigado a ouvir música com alguns desses passageiros.

  151. Faltou só citar que no ônibus, obrigatoriamente, aprendemos a suportar diferentes estilos musicais, e reconhecemos a importância divina de um fone de ouvido (para os funkeiros, principalmente).

  152. Com certeza andar de ônibus melhora sua maneira de se relacionar, conversar, enfim, se COMUNICAR com os outros. Afinal é preciso perguntar constantemente à estranhos, todo e qualquer tipo de informação relacionado ao ônibus, ao trajeto, aos terminais, ao tempo de espera, e até mesmo sobre a localização do ponto exato da parada do busao, que logicamente algumas vezes não està sinalizado. Sem falar que em outros momentos acaba por incentivar ao uso da própria Intuição, por exemplo quando nao hà por perto um ser vivo, e muito menos um tecnológico para te auxiliar.

  153. Adorei o texto. Identifiquei-me com as janelas. Realmente, quando estamos ao lado de janelas, sejam em ônibus ou avisão, aproveitamos para colocar os pensamentos em ordem. Uma reflexão de nossas vidas.

  154. Não sei se já foi citado acima, mas desenvolvemos uma grande quantidade de anticorpos, a cada inverno aumenta. Quem nunca entrou em um onibus, todo mundo doente, espirrando, tossindo, colocando o baço pra fora e os infelizes fecham todas as janelas por causa de uma micro garoa!!

    Por isso, a cada chuvinha, detemos mais anticorpos

  155. hahahahahah muuito bom!!!
    isso me fez lembrar um post que eu escrevi ano passado. vou colar aqui:

    tutorial: como sentar num ônibus lotado

    só quem tem o ‘privilégio’ de pegar ônibus lotado todos os dias sabe o sacrifício que é conseguir ir sentado durante a viagem. é uma sensação de superação, conquista, alegria, emoção… depois de anos pegando o candeias [lenda] dois irmãos, desenvolvi técnicas infalíveis e por isso resolvi preparar esse tutorial para que vocês adquiram todas as manhas pra conseguir essa proeza. sim, eu sou legal.

    1- preparando o terreno

    primeiro de tudo você tem que analisar bem a situação. provavelmente como você, muitas pessoas sempre pegam o mesmo ônibus na mesma hora. e muitas vezes elas já vêm sentadas e descem antes que você. eu aconselho você passar mais ou menos uma semana só analisando os passageiros. se posicione perto da porta de saída (se possível leve um caderninho de anotações) e vá anotando ou memorizando quem são as pessoas que vão descendo e em que parada. decore a farda, corte e cor de cabelo, se o sujeito tem bigodinho, se a moça é gordinha… essas coisas fáceis de lembrar. quanto mais familiarizado com os coleguinhas do ônibus, melhor.

    2- técnica de posicionamento

    depois de decorar as pessoas que vão descer antes, assim que você entrar no ônibus localize uma delas que está sentada e vá pra frente dela. de preferência leve algum volume grande na sua mão pra que ela seja solidária e peça pra segurar suas coisas. assim você já marca o território e na hora q ela for descer, a probabilidade dela colocar as suas coisas em cima da cadeira é grande. daí tu já vai sentando.

    3- o cavalheirismo as vezes (leia-se quase nunca) existe

    também é muito importante que você, mulher, fique em pé onde tenha mais homens ao redor. logo, assim que vagar um lugar eles vão o ceder pra você antes de sentarem. as vezes funciona. o negócio é ser simpática e fazer charminho. tipo, com um sorrisinho meigo na cara tu pergunta: er, você vai sentar? o cara não vai ter coragem de sentar e deixar tu em pé.

    4- os estudantes

    pesquise sobre os colégios que estão localizados ao decorrer do seu caminho. principalmente os colégios estaduais e municipais, já que a quantidade da gelhere ir de ônibus é maior. quando você entrar no ônibus, dê uma olhada nos estudantes e suas respectivas fardas. isso é quase sempre infalível. achou um sentado? opa! é pra frente dele que você vai ficar.

    5- usando a força das suas mãos.

    as mãos são importantíssimas na hora de segurar as barrinhas de ferro do ônibus. sempre há um empurra-purra que acaba levando você pro outro lado do ônibus. mas mantenha-se firme com as suas mãos duras segurando as barrinhas que você não será levado pela multidão e vai conseguir se manter no lugar que você deseja, almejando aquele acento que você sabe que vai vagar.

    6- gentileza sempre é bom

    mas só quando tu tá sentado. sempre peça pra segurar as coisas do povo que tá em pé, nem que seja uma sacolinha de bompreço pequenininha. mas se tu tá em pé, meu amigo, é a lei do cão. se você está posicionado exatamente na mesma distância que o camarada ao seu lado está do lugar que vai vagar, se jogue. sério. quem tem bunda grande leva vantagem. um empurrãozinho com o popô pode ser muito útil na hora de disputar a vaga. nessa briga, quando tu sentar, faça cara de paisagem e finja que nada aconteceu. de preferência coloque um fone de ouvido pra não ouvir os prováveis xingamentos que o cara que perdeu a vaga vai fazer com o vizinho.

    7- caso extremo

    se mesmo assim você não conseguir ir sentado, comece a não usar desodorante. as pessoas ao seu redor vão se afastar de você e facilmente você pode usar a técnica do posicionamento sem problemas. #ficadica

    espero que esse texto tenha ajudado você. nem que seja pra sentar em uma parada e descer na outra. é questão de honra, sabe?

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>